Sunday, January 02, 2011

Encuentros de poesia en Ribatejo


Uma semana antes, Leontina tinha vindo do Ribatejo à Serra da Estrela, comprou-me um queijo e deixou-me a sua morada…

A Vila é bonita, ruas rasgadas e cuidadas, casas caiadas, junto ao coreto azul e branco está o Café Central da Dona Guiomar, viúva do anterior proprietário colhido por um touro na praça de Santarém, O De Cujus não era toureiro nem forcado, o touro saltou para a bancada e matou o Seu Hortênsio, Há uma proposta de deliberação na Junta de Freguesia de Glória do Ribatejo para dar o seu nome a uma rua, mas tal deliberação não será pacifica, afinal ele não morreu na arena, não teve uma morte heróica, Sobre Dona Guiomar muitos são os que desejam o seu leito mas ela é mulher de um só homem, assim foi educada, A verdade é que o seu decote é muito vistoso, e por baixo das calças de linho branco vê-se a forma de uma tanguinha estreita e rendilhada,

Olhou-me de alto a baixo, que queria um forasteiro de fato cinzento e de gravata laranja, vestido à Lisboa mas que não tinha prenuncia dessa urbe, seria o novo Regedor, questionava-se,

O motivo da longa viagem entrava no café, baixa, rechonchuda, cabelos castanhos, peitos fartos que se miravam pois o terceiro botão estava desapertado formando um triângulo sedutor, sorriso largo, um beijo na face lhe dei…

Solicitou um chá adocicado com uma colher de açúcar de beterraba e pediu para mim um café coado num pano imaculadamente branco,

Os velhos olhavam para o forasteiro “Será que é este que vai desencalhar a Leontina” questionavam-se,

Eu e Leontina tínhamos algo em comum: a poesia medieva e humanista, Era uma conhecedora desta arte, falou-me de D. Álvaro de Ataíde, de autores de influência italiana como Bernardim Ribeiro e Sá De Miranda e esclareceu-me que ao contrário de informações que me foram dadas, Gil Vicente não copiou Juan del Encina, foi influenciado pelo autor castellano mas foi profundamente original na elaboração dos temas e na concepção geral das peças de autos que com “penetração” criticou a sociedade da época,

Do outro lado da rua aproximou-se um senhor, bigode farto, vestido à campino, certamente um proprietário bem remediado nos seus réditos, Leontina ao vê-lo corou e pediu-me, “Vai, gosto muito de ti, não te quero ver sofrer, vem lá o senhor meu pai, se te vê aqui a falar comigo obriga-te a casar… vai, beijinhos sempre com carinho, meu doce amigo”

*

Una semana antes, Leontina había venido del RibaTajo a la Sierra, me compró un queso y me dejó su dirección…

La Villa es bonita, calles rasgadas y bien cuidadas, casas encaladas, junto al quiosco de música azul y blanco está el Café Central de Doña Guiomar, viuda del anterior propietario, cogido por un toro en la Plaza de Santarém, no era torero ni picador, el toro saltó la barrera y mató a su Hortensio, hay una propuesta de resolución en lo Ayuntamiento para dar su nombre a una calle, pero la resolución no es pacifica, al final él no murió en la arena, ni tuvo una muerte heroica,

Sobre Doña Guiomar, son muchos los que desean su lecho, pero ellas es mujer de un solo hombre, así fue educada, y la verdad es que su escote es muy llamativo, y por debajo de los pantalones de lino blanco se ve la forma de una ropa interior de encaje ajustada,

Me vio de arriba abajo, qué querría un forastero de faz cenicienta y corbata anaranjada, vestía al estilo de Lisboa, pero no parecía de esa urbe, sería el nuevo Regidor? Se preguntaba,

El motivo del largo viaje entraba en ele café, baja, regordeta, de cabellos castaños, de senos grandes que se veían, pues el tercer botón estaba desabrochado formando un triángulo seductor, amplia sonrisa, le di un beso en la mejilla,

- Pidió un té endulzado con una cucharada de azúcar de remolacha y a mi me pidió un café colado en un paño inmaculadamente blanco, Los viejos veían a este forastero “será éste el que va a reflotar a Leontina?”, Se preguntaban…

Poesía medieval y humanista, Leontina era conocedora de ese arte, me habló de D. Álvaro de Ataide, de autores de influencia italiana como Bernardim Ribeiro y Sá de Miranda y me aclaró que en contra de las informaciones que me habían dado, Gil Vicente, no copió a Juan de la Encina, sino que fue influenciado por el autor castellano, pero que fue profundamente original en la elaboración de los temas y en la concepción del diseño general de las piezas de autos que con penetración, criticó la sociedad de la época,

Cruzando la calle se acercó un señor, de amplio bigote, vestido como Campino, sin duda un propietario que cuidaba bien sus réditos, Leontina al verlo enrojeció y me dijo: “Vete, me gustas mucho, no quiero verte sufrir, allí viene señor mi padre, si te ve aquí hablando conmigo te obliga a casarte… vete, besitos siempre con cariño, mi dulce amigo”,

*

Tradución de castellano para portugués: Carmiña

65 Comments:

At 10:43 AM, Anonymous Líder said...

somente...amantes na poesia... uma forma única de amar...

abraço entre asas

 
At 6:29 PM, Blogger Baby said...

Mas que estória (ou história?) rendilhada, urdida em mediévicos poemas...mas uma história encantadora, como é vulgar encontrar-se por aqui!

Mixtu, um bom Natal para ti, escolhe o mais verdadeiro, este do século XXI ou o outro, que até Maria e José esqueceram.

Beijos festivos.

 
At 7:02 PM, Blogger mixtu said...

Si amor pone las escalas
al muro del coraçón,
¡no ay ninguna defensión!

Si amor quiere dar combate
con su poder y firmeza,
no ay fuerça ni fortaleza
que no tome o desbarate,
o que no hiera o no mate
al que no se da a presión,
¡no ay ninguna defensión!

Sin partidos, con partidos,
con sus tratos o sin trato,
gana y vence en poco rato
la razón y los sentidos;
los sentidos ya vencidos,
sojuzgada la razón,
¡no ay ninguna defensión!

Con halagos y temores,
con su fuerça y su poder,
de los que han de defender
haze más sus servidores;
pues las guardas son traydores
y cometen traÿción,
¡no ay ninguna defensión!

Nunca jamás desconfía;
de los más sus enemigos
haze mayores amigos;
siempre vence su porfía,
da plazer y da alegría,
y, si quiere dar passión,
¡no ay ninguna defensión!

Son sus fuerças tan forçosas
que fuerçan lo más que fuerte,
puede dar vida y dar muerte,
puede dar penas penosas;
a sus fuerças poderosas,
si pone fe y afición,
¡no ay ninguna defensión!


Juan del Encina

 
At 7:11 PM, Blogger mixtu said...

Página do Início de Menina e Moça de Bernardim Ribeiro.

“Menina e moça me levaram de casa de minha mãe para muito longe. Que causa fosse então a daquela minha levada, era ainda pequena, não a soube. Agora não lhe ponho outra, senão que parece que já então havia de ser o que depois foi. Vivi ali tanto tempo quanto foi necessário para não poder viver em outra parte. Muito contente fui em aquela terra, mas, coitada de mim, que em breve espaço se mudou tudo aquilo que em longo tempo se buscou e para longo tempo se buscava. Grande desaventura foi a que me fez ser triste ou, per aventura, a que me fez ser leda. Depois que eu vi tantas cousas trocadas por outras, e o prazer feito mágoa maior, a tanta tristeza cheguei que mais me pesava do bem que tive, que do mal que tinha. Escolhi para meu contentamento (se entre tristeza e saudades há algum) vir-me viver a este monte, onde o lugar e míngua da conversação da gente fosse como para meu cuidado cumpria – porque grande erro fora depois de tantos nojos, quantos eu com estes meus olhos vi, aventurar-me ainda esperar do mundo o descanso, que ele nunca deu a ninguém – (..)”

 
At 7:15 PM, Blogger mixtu said...

COMIGO ME DESAVIM

Comigo me desavim,
Sou posto em todo perigo;
Não posso viver comigo
Nem posso fugir de mim.

Com dor, da gente fugia,
Antes que esta assim crescesse:
Agora já fugiria
De mim, se de mim pudesse.
Que meio espero ou que fim
Do vão trabalho que sigo,
Pois que trago a mim comigo
Tamanho imigo de mim?

Sá de Miranda

 
At 9:46 PM, Blogger tonsdeazul said...

Hoje apenas te deixo um beijinho, já com cheiro a Natal, meu querido amigo. E não é apenas, porque já é muito!! :)

 
At 11:31 PM, Blogger sonho said...

Se gostares dela...voltarás lá...e quem sabe...não será obrigação casar...
Beijo d'anjo

 
At 12:51 AM, Blogger MAR said...

Besos para ti y cómo va la Navidad?
mar
:)

 
At 12:57 AM, Blogger Eli said...

Um pastor de gravata laranja assim... à moda de Lisboa?!

Ui...

(lol)

:P

 
At 5:03 PM, Blogger Papoila said...

Querido MIXTU:
Mais uma história de encantar lá pelas bandas de Glória do Ribatejo... os poemas medievos em comum...
Beijos

 
At 5:36 PM, Blogger Carla said...

sempre belas as tuas histórias, com sabor a rabanadas de outros tempos
beijo

 
At 8:31 PM, Blogger ~pi said...

A las estrellas


Esos rasgos de luz, esas centellas
que cobran con amagos superiores
alimentos del sol en resplandores,
aquello viven, si se duelen dellas.

Flores nocturnas son; aunque tan bellas,
efímeras padecen sus ardores;
pues si un día es el siglo de las flores,
una noche es la edad de las estrellas.

De esa, pues, primavera fugitiva,
ya nuestro mal, ya nuestro bien se infiere;
registro es nuestro, o muera el sol o viva.

¿Qué duración habrá que el hombre espere,
o qué mudanza habrá que no reciba
de astro que cada noche nace y muere.



Pedro Caldéron de la Barca

 
At 8:39 PM, Blogger ~pi said...

EL PASTORCICO

Un pastorcico solo está penando
Ajeno de placer y de contento
Y en su pastora puesto el pensamiento
Y el pecho del amor muy lastimado.

No llora por haberle amor llagado
Que no le pena verse así afligido
Aunque en el corazón está herido
Mas llora por pensar que está olvidado.

Que sólo de pensar que está olvidado
De su bella pastora con gran pena
Se deja maltratar en tierra ajena
El pecho del amor muy lastimado.

Y dice el pastorcico: "¡Ay desdichado
De aquel que de mi amor ha hecho ausencia
Y no quiere gozar la mi presencia
Y el pecho por su amor muy lastimado!"

Y al cabo de un gran rato se ha encumbrado
Sobre un árbol do abrió sus brazos bellos
Y muerto se ha quedado asido de ellos
Del pecho del amor muy lastimado.


San Juan de la Cruz

 
At 8:47 PM, Blogger ~pi said...

triste demais esta poesia, embora nem sempre...

[ da s fonte s do rio Tristeza,

? buscar alegria





~





~

 
At 8:49 PM, Blogger ~pi said...

Hermana Marica,
mañana, que es fiesta,
no irás tú a la amiga
ni yo iré a la escuela.

Pondráste el corpiño
y la saya buena,
cabezón labrado,
toca y albanega;

y a mí me podrán
mi camisa nueva,
sayo de palmilla,
media de estameña;

y si hace bueno
traeré la montera
que me dio la Pascua
mi señora abuela,

y el estadal rojo
con lo que le cuelga,
que trajo el vecino
cuando fue a la feria.

Iremos a misa,
veremos la iglesia,
darános un cuarto
mi tía la ollera.

Compraremos de él
(que nadie lo sepa)
chochos y garbanzos
para la merienda;

y en la tardecica,
en nuestra plazuela,
jugaré yo al toro
y tú a las muñecas

con las dos hermanas,
Juana y Madalena,
y las dos primillas,
Marica y la tuerta;

y si quiere madre
dar las castañetas,
podrás tanto dello
bailar en la puerta;

y al son del adufe
cantará Andrehuela:
No me aprovecharon,
madre, las hierbas;

y yo de papel
haré una librea
teñida con moras
porque bien parezca,

y una caperuza
con muchas almenas
pondré por penacho
las dos plumas negras

del rabo del gallo,
que acullá en la huerta
anaranjeamos
las Carnestolendas;

y en la caña larga
pondré una bandera
con dos borlas blancas
en sus tranzaderas;

y en mi caballito
pondré una cabeza
de guadamecí,
dos hilos, por riendas;

y entraré en la calle
haciendo corvetas,
yo y otros del barrio,
que son más de treinta.

Jugaremos cañas
junto a la plazuela,
porque Barbolilla
salga acá y nos vea;

Barbola, la hija
de la panadera,
la que suele darme
tortas con manteca,

porque algunas veces
hacemos yo y ella
las bellaquerías
detrás de la puerta.




Luís de Góngora Y Argote

 
At 8:51 PM, Blogger ~pi said...

,

até o sol nascer :)

 
At 8:54 PM, Blogger ~pi said...

ahhhhhhhhhh e por fim!!

( do autor anterior,


Érase una vieja
de gloriosa fama,
amiga de niñas,
de niñas que labran.

Para su contento
alquiló una casa
donde sus vecinas
hagan sus coladas.

Con la sed de amor
corren a la balsa
cien mil sabandijas
de natura varia,

a que con sus manos,
pues tiene tal gracia
como el unicornio,
bendiga las aguas.

También acudía
la viuda honrada,
del muerto marido
sintiendo la falta,

con tan grande extremo,
que allí se juntaba
a llorar por él
lágrimas cansadas.



ups!! :)

 
At 9:00 PM, Blogger in_side said...

Nasce mais uma vez
Menino Deus
Não faltes, que me faltas
Neste inverno gelado.
Nasce nu e sagrado
no meu poema,
se não tens um presépio
Mais agasalhado


Miguel Torga

 
At 9:00 PM, Blogger in_side said...

:)






*

 
At 2:19 PM, Blogger São said...

Ai, como através da poesia acontece tanto...

Bom final de semana, amigo.

 
At 2:33 PM, Blogger mixtu said...

Pi;

Bem o Seu San Juan de la Cruz não faz a cousa por menos...

Talvez por isso... em tempos deram ordens para que se cortassem as árvores da serra...

Un fuerte abrazo serrano y europeo, antes de subir à última árvore da serra

:)

 
At 2:53 PM, Blogger mixtu said...

Pi,
ía-te pedir ajuda para me encontrares a dona guiomar mas nada como pesquisar no google "poesia medieval mixtu"

"Um texto satírico de D. João de Meneses, desde há muito o meu autor preferido pois cada poema é um fartote de rir, neste, Dona Guiomar não tem muito jeito no beijar, por isso deve ser macho, logo… nada de entrepernar:)
.

Senhora, eu vos não acho
Razão para rafiar
E beijar tão sem empacho
Dona Guiomar
Salvante se vós sois macho.

Se o sois e não sois dama,
É mui bem que o digais,
E também deve sua ama
Não querer que vós jazais
Só com ela em uma cama.
Confessai-nos que sois macho,
Ou que folgais de beijar,
Que doutra guisa não acho
Razão de entrepernar
Tal dama tão sem empacho."

 
At 7:09 PM, Blogger Vera said...

Leontina deve ser uma mulher muito interessante! E muito, muito inteligente :)

Beijinhos

 
At 3:04 AM, Blogger Steki said...

HOla, amigo serrano, tanto tiempo!
Bello tu escrito, como siempre.
Paso a desearte un bon Natal y felicidades!
Beijo y paz pra voce.

 
At 8:44 AM, Blogger Laura said...

Ah, agora escreve o resto, porque não pode um pai bigodaças, dar cabo dos amores da gente na idade adulta, ah, se fosse hoje a minha vida seria deiferente, mas, em ninas somos tolhidas plo medo dos papás, ah, ... e depois a ninoa abriu mais od ecote? hum, e depois? ou o cota correu contigo? ehhhhh..Muitos beijinhos da laura

 
At 1:27 PM, Blogger ~pi said...

então e a asinha!? ~pi

~pi [[ com.asinha.com

( `averte`, diz ali abaixo,
faltará o h, a importância do
agá
na nossa cultura,

[ e quem se lembraria de traduzir uma letra que não tem quase som por

a g á...agá,

bem,,,

mas vou ver esse tal da guiomar, não me lembro bem desse(a,

( que guiomar, só por si,,, será um leme, logo, macho,,,








~

 
At 1:36 PM, Blogger ~pi said...

agá e asinha, dizia eu,

porque também aqui apareceu uma palavra...bem...

[ ...não, não digo esta,

de d. joão de meneses apareceu um túmulo, bom, já hei-de continuar, vou agora desenterrrá-lo,,, grande trabalheira,


[ ... e por acaso não era de marialva
e por acaso ou não, não terá parentes vivos

lá para o norte,,,? :)








~

 
At 4:47 PM, Blogger segurademim said...

... hum... como neva na serra

levaste o rebanho pró ribatejo

 
At 11:47 PM, Blogger São said...

Venho desejar-te e aos teus um sereno e abastado Natal e um novo ano muito feliz!

Um abraço grande.

 
At 10:23 AM, Blogger MentesSueltas said...

En estos días, siempre pedimos y prometemos... pues entonces que cada deseo sea una flor, cada dolor una estrella y cada lágrima una sonrisa.

Mis mejores deseos de armonía y paz interior.

MentesSueltas

 
At 11:57 AM, Anonymous La-Vie-En-Rose said...

Poesia....momentos magicos que eu desconhecia, e que estou a aprender a gostar....D.Guiomar ficou na caixinha das recordações...para mais tarde recoradar, ou então para voltar ao Ribatejo desflorar....
parabéns Mixtu continua a encantar com os teus poemas...
Abraço

 
At 7:27 PM, Blogger Je Vois la Vie en Vert said...

Olá Mixtu,

Depois da "Vie en Rose", vem a "Vie en Vert"... Depois disto tens que ver a vida colorida !
Muito doçura encontrei na tua agradável história. Gostei.

Boas Festas !

Beijinhos

Verdinha

 
At 11:19 AM, Blogger in_side said...

De Joam Roiz de Castel-Branco, contador da Guarda, a António Pacheco, veador da moeda de Lisboa, em resposta dúa carta que lhe mandou, em que motejava dele.



Já me nam dá de comer
senam minha fazendinha;
rei nem roque nem rainha
nam queria nunca ver.


O pagar das moradias
é o que mais contenta,
o despachar da ementa,
as madrugadas tam frias;
trabalhar noites e dias
por ser na corte cabidos,
e, os tempos despendidos,
ficar com as mãos vazias.


Armadas idas d'além
já sabeis como se fazem:
quantos cativos lá jazem,
quantos lá vão que nam vêm!
E quantos esse mar tem
somidos que não parecem,
e quam cedo cá esquecem,
sem lembrarem a ninguém!


E alguns que sam tornados,
livres destas borriscadas,
se os is ver às pousadas,
achai-los esfarrapados,
pobres e necessitados
por mui diversas maneiras
por casas das regateiras
os vestidos apenhados.


Por isto, senhor Mafoma,
tresmontei cá nesta Beira,
por tomar a derradeira
vida, que todo o homem toma;
porque há lá tanta soma
de males e de paixam
que, por não ser cortesão,
fugirei daqui té Roma.


Fim

Agora julgai vós lá
se fiz mal nisto que faço:
em me tirar desse Paço
e mudar-me para cá;
pois é certo que, se dá
algum pouco galardam,
lança mais em perdiçam
do que nunca ganhará.



João Roiz de Castel-Branco, Cancioneiro Geral, III, 120-124



:) curiosamente ,,,

acho que deixo pra outra altura

o


CANTIGA, PARTINDO-SE

Senhora partem tam tristes
meus olhos por vós, meu bem,
que nunca tam tristes vistes
outros nenhuns por ninguém.


Tam tristes, tam saudosos,
tam doentes da partida,
tam cansados, tam chorosos
da morte mais desejosos
cem mil vezes que da vida.
Partem tam tristes os tristes
tam fora d'esperar bem,
que nunca tam tristes vistes
outros nenhuns por ninguém.


João Roiz de Castel-Branco, Cancioneiro Geral, III, 134


bem, não deixei :)




~

 
At 3:21 PM, Blogger RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO said...

Olá, Mixtu*
Que bela e lindamente bordada história. Com certeza ao som de um Saltarelo. Maravilhoso poema em prosa! Parabéns, amigo!
Deixo-lhe um mimo e os meus votos de Bom Natal, com Amor Paz y Luz*
Abraços,
Renata

AMOR

Amor,
se podes com Deus falar,
pergunta-lhe se eu alguma vez
deixei de te adorar


E o mar,
espelho do meu coração,
quantas vezes me viu chorar
a perfídia do teu amor


Eu te busco aonde quer que vá,
e não te posso falar
para quê desejo outros beijos
se teus lábios já não me querem beijar

E tu
quem sabe por onde andarás
quem sabe que aventuras terás
como estás longe de mim...

(Perfídia, trad. e adap. pela Renata)

 
At 5:45 PM, Blogger Secreta said...

Boas festas para ti!
Até 2010 :)
Beijito.

 
At 9:55 PM, Blogger Multiolhares said...

Belas histórias que aquecem a serra de manto branco vestida.
Bom natal par ti e para os teus .
beijos

 
At 12:14 AM, Blogger Graça said...

Coisas do Ribatejo... e da poesia.

Desejo-te um magnífico Natal.


Beijo, aqui de uma das cidades do Ribatejo :)).

 
At 8:14 AM, Blogger Meret ® said...

Te deseo la mejor Navidad…
Que en estas fiestas y siempre...el amor y la salud alumbren tu vida.

¡Feliz Navidad!

Un abrazo y beso enorme.

 
At 12:36 PM, Blogger Arabica said...

Mixtu contrastes estes do ribatejo, poesia a contrastar em suspiro, com a memória do decote farto de mulher que ainda assim é de um homem apenas (ai os poetas durante as longas noites de estio...como lhe falam ao peito!!!) ...!

Boas festas para ti e para os teus.
Ps-não abuses nos doces!!
Conventuais ou não.
:)

 
At 6:04 PM, Blogger Nilson Barcelli said...

Espero que esta história com a Leontina continue.
Sempre gostei de queijo da serra e de histórias em que ele entre... por isso, vê lá se não demoras a escrever o segundo capítulo... não fujas...
Caro amigo, um Feliz Natal para ti, para toda a tua família, para as ovelhas, cabras e demais gado.
Abraço.

 
At 6:06 PM, Blogger Franziska said...

Te ocurren cosas divertidas. ¿Saliste tan aprisa como te fue posible?

Hoy estoy visitando a mis amigos de los blogs con la única pretensión de desearles a todos unas felices fiestas de Navidad. Desconozco cuáles son tus ideas religiosas y hasta es posible que no creas para nada en el nacimiento del Niño Dios.
Pase lo que pase no tiene importancia, de cualquier manera ser portador de buenos deseos para la gente creo que es siempre oportuno ¿no es verdad? ¡Feliz Año Nuevo 2010!

 
At 12:01 AM, Blogger aflores said...

Depois destes "encuentros" ;) só me resta desejar Feliz Natal e Próspero Ano Novo!.

Tudo de bom.

 
At 10:56 AM, Blogger via said...

diria que leontina revive aquilo no qual é formada, em poesia medieva, tem graça o tom.bom natal!

 
At 12:12 PM, Blogger sonho said...

Desejo te um Santo Natal recheado de muita felicidade junto aos que mais amas...
Beijo d'anjo

 
At 3:46 PM, Blogger Francis said...

Um grande abraco e BOAS FESTAS!!!

Sao os votos deste teu amigo...

Francis... o Rei dos Frangos!!!

 
At 5:11 PM, Blogger Teté said...

Coitada da Leontina, não admira que esteja encalhada, com um pai desses... medieval!

Abrazo citadino e Feliz Natal junto de todos os teus! :)*

 
At 6:25 PM, Blogger Claudinha ੴ said...

Olá Mixtu!
Este coreto é como os de minha terra, onde as bandas, os corais e as poesias eram exibidos. Hoje ficaram para enfeites de fotografias e para encontros furtivos dos enamorados... Mas gosto de sua narrativa e deste jeito que me lembra os meus que não estão mais aqui neste plano...

Com um beijo, desejo um feliz Natal a você e aos seus. Um 2010 maravilhoso a todos nós!

 
At 1:06 PM, Blogger Teresa Durães said...

venho esejar boas festas para ti!

 
At 1:31 PM, Blogger fgiucich said...

Paso a dejarte un abrazo y muchas, pero muchas felicidades.

 
At 2:47 PM, Blogger Carmiña said...

¡Feliz Navidad!
Que el año nuevo te traiga inspiración para nuevos relatos, además de todo lo bueno que necesites.

 
At 4:13 PM, Blogger Maite said...

Caro Mixtu

E o resto das férias de Navidad? Ficar logo sem a Leontina no primeiro dia, foi mau :)

Boas Festas para si

Abrazo daqui deste lado do rio

 
At 10:20 PM, Blogger Marta said...

Interessante a história...
Obrigada pela visita...Bom Ano 2010
Beijos e abraços
Marta

 
At 10:33 PM, Blogger Um Poema said...

....

Da serra até ao Ribatejo...

Que 2010 seja um BOM ANO.

Um abraço

 
At 12:48 AM, Blogger alma said...

Influencias de aquí y allí...mezclas

 
At 3:30 PM, Blogger Amapola said...

No tengo idea desde que tiempos nos seguimos las letras... pero... te deseo que tenga un exitoso año2010 que este nuevo año tenga magia y energia multiplicada en letras para continuar leyendote.

cariños...
Amapola.

 
At 6:24 AM, Blogger AlegriadeQuerer said...

Agracias a ti, que siempre me llevas a estar contigo, que me buscas y nunca pierdes la fe en encontrarme.comienzo el año con tu tema preferido que es el amor, es tu razón para vivir y para morir.Fuiste libre hasta el fin, tuviste un ideal claro y lo defendiste con tu sangre para salvarnos.Nadie como tu conoce nuestros pensamientos, y sabes muy bien lo que valemos.

Te pido paciencia para nuestros padres, amor para las parejas, responsabilidad para con nuestros hijos, tolerancia para los ancianos, comprensión para todos nuestros hermanos, compasión para el que sufre, servicio para todos.Dios no vuelvas a vernos egoístas, orgullosos, rebelde, disconformes, pesimistas.

Dios gracias por que tenemos la dicha de compartir un nuevo año.

Tu amiga yudelka

 
At 7:50 AM, Blogger Antona said...

Querido amigo

te deseo un novo ano muito feliz!


um abaÇo

 
At 5:25 PM, Blogger Baby said...

Então, Mixtu, para amanhã à meia noite, se ainda tiveres um pouquito de vinho Silvanus, crianza,de 2004, 14.5º, vamos fazer um brinde?
Á SAÚDE E AOS SONHOS DE TODOS OS AMIGOS DA BLOGOSFERA!
Se não tiveres o vinho, também pode ser uma taça de Moet & Chandon....

Abraço universal.

 
At 9:51 PM, Blogger Meret ® said...

Que este nuevo año que comienza esté envuelto en amor, paz y felicidad…
¡¡¡ Feliz año 2010 !!!

Un fuerte abrazo

 
At 10:57 PM, Blogger RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO said...

Olá, amigo!

FELIZ ANO NOVO

Não se acostume com o que não o faz feliz, revolte-se quando julgar necessário. Alague seu coração de esperanças, mas não deixe que ele se afogue nelas. Se achar que precisa voltar, volte! Se perceber que precisa seguir, siga! Se estiver tudo errado, comece novamente. Se estiver tudo certo, continue. Se sentir saudades, mate-a. Se perder um amor, não se perca! Se o achar, segure-o!

*Fernando Pessoa*

Abraços, Mixtu*
Você fez a diferença este ano.
Obrigada.
Renata

 
At 9:16 AM, Anonymous espelhodesombras said...

Amigo Mixtu, mais vezes nos brindas com teus bons e interessantes textos.
Um belo ano novo
abraços serranos
João Costa Filho

 
At 9:57 AM, Blogger Teresa Durães said...

Venho desejar um óptimo Ano Novo para ti!

(não é uym comentário inteligente :P)
Bj

 
At 2:19 PM, Blogger missixty said...

A proveito para te desejar um bom ano.
Eu vi o Avatar e adorei, mas os críticos estão um pouco renitentes quanto ao argumento que dizem bastante previsível!
beijinhos

 
At 12:55 PM, Blogger Patricia Viviana Chiquinquira Ferrer Mavarez said...

Hola mixtu siempre es bueno pasearse por aqui, Feliz 2010, un abrazo.

 
At 4:28 PM, Anonymous sonho said...

Esperando a continuação da 2ª parte da Leontina e a sua poesia medieva. como alguém diz não é um pai que te vai amedrontar. :P

Beijo de anjo

 

<< Home

António Vega-Lucha de gigantes

_______________________________________________25.000 visitantes (Anterior counter),
ecoestadistica.com