Friday, August 06, 2010

Está del otro lado/ Está do outro lado

Hoy he traído mi rebaño hasta los pastizales junto al nacimiento del Río Mondego...
Me ha hecho pensar: "Y cuando el río tuvo que abrirse camino hasta encontrar el mar? Ahora le se resulta fácil, pero al principio de los tiempos...
A veces pensamos que somos río... aguas que corren... que nos hacen parecer que nos movemos...
Será que aún soy río? O ya soy mar? Y qué sensación de inquietud y de movimiento también nos da el mar a través de sus ondas...
si fuese río espero que tenga sólo una margen... Así no tendré que construir puentes y no tengo que sentir que alguien está del otro lado... en una posición inalcanzable...
*

Hoje trouxe o meu rebanho até pastagens junto à nascente do Rio Mondego…

Fez-me pensar: “E quando o Rio teve que desbravar caminho até encontrar o mar? Para ele agora é fácil, mas no início dos tempos…”

Por vezes pensamos que somos Rio… águas que correm… que nos fazem parecer que nos movemos…

Será que ainda sou Rio? Ou já sou Mar? É que a sensação de inquietude e de movimento também nos dá o Mar através das suas ondas…

Se for Rio… espero que ele tenha apenas uma margem… Assim não terei que construir pontes e não tenho que sentir que alguém está do outro lado… numa posição inalcançável…

*

tradução de castellano para portugués: Carmiña






69 Comments:

At 3:19 PM, Anonymous líder said...

Uns dias somos rio...
calmos...
tranquilos...
a percorrer o nosso leito...
doces...
onde os peixes nadam...
as crianças brincam e as mulheres lavam a roupa...
atravessamos várias aldeias...cidades...
mas...
quando encontramos o mar...
o doce mistura-se com o salgado...
a tranquilidade dá lugar à agitação das ondas...
e somos cortados pela fúria dos navios que nos atravessam...
perdemo-nos na imensidão das águas escuras...
Besitos.

 
At 6:03 PM, Blogger Nilson Barcelli said...

Hoje estás muito filosófico.
Um rio com uma margem apenas é um rio subterrâneo... é isso que queres ser?
Tem as suas vantagens... sempre te podes espraiar numa e noutra gruta secretas...
Caro amigo, um abraço.

 
At 6:08 PM, Anonymous la vie en rose said...

Tem-se sempre algo a percorrer, aliás doutra forma esta vida não fazia sentido.

Mar ou rio é uma questão de velocidade, ou será da maneira que olhamos a vida.

O melhor será ser mar em algumas alturas e noutras rio, a monotonia destrói…
beso

 
At 7:35 PM, Blogger Mayte said...

Hermosa metáfora llena de vida...me ha encantado.

Bikiños mil.

 
At 9:32 PM, Blogger Lilith said...

volvi a los blogs
Y es que hay adicciones que simplemente no se pueden olvidar
o dejar de extrañar...

mil besos*

 
At 10:52 PM, Blogger Steki said...

A veces es lindo esforzarse para lograr lo inalcanzable.
Yo, del otro lado del gran charco. ;-)
Beijinhos,
STEKI.

 
At 11:19 PM, Blogger Teté said...

Não existem posições inalcansáveis: mesmo que não existam pontes, há sempre um barquito que alcança a outra margem! Desde que a vontade seja essa... :)

No mar, já é mais difícil!

Abrazo... de veraneante!

 
At 7:51 AM, Blogger aflores said...

Esta ponte me levou até 2010. Do outro lado, algo encontrei de imaginário...colorido.
Molhei os pés e regressei.

:):)

Abraço Tripeiro ;)

 
At 9:59 AM, Blogger Secreta said...

Se conseguirmos construir as pontes necessárias , o mal é menor...
Eu devo ser Rio, sem pontes.
Beijito.

 
At 6:31 PM, Blogger Judite (Dite) said...

Olá MIXTU.
Obrigada pelo comentário no meu espaço. O seu também é muito interessante e profundo. Irei segui-lo atentamente e deliciar-me com as suas mensagens.
Todos nós somos rio e mar em busca
de um lugar mais tranquilo. Um lugar sem labirintos e intempéries.
Um beijinho,
Judite

 
At 7:54 PM, Anonymous Franziska said...

Es muy buena la comparación de la vida con el río pero no estoy de acuerdo en lo de no construir puentes. Todos necesitamos construirlos porque si no lo hacemos estaremos solos en nuestra orilla placentera o no, pero siempre será más triste.

Me ha encantado el tono poético, la construcción de imágenes y metáforas que utilizas en tu exquisito relato personal.

Gracias por tus cariñosas palabras dejadas en mi blog en tu última visita.

 
At 9:36 PM, Blogger Francis said...

mas as pontes transformam o inalcansável, alcansável...

... Tu é que não queres ir para a outra margem.

Olha que a Pastora não espera para sempre...

... hoje temos a Internet e tal...

Um abraço desde a terra do sol e do vento!!!

 
At 11:53 AM, Blogger Je Vois la Vie en Vert said...

Olá Mixtu,

Estou a reparar que tens visitas de "La vie en Rose" e minhas, i.é. de "La Vie en Vert"... O teu blog fica muito colorido assim !

Também estou a ver que tiraste uma foto de mim quando estava molhando os pés no rio. Reconheço os meus pés e os meus sapatos. Será no sítio onde estive o ano passado ?
Ver o post :
http://jevoislavieenvert2.blogspot.com/2008_06_01_archive.html

Com que então, não sabes se és rio, se és mar ou se és o Dito (do meu penúltimo post) ?
Espero que um dia, saibas finalmente quem és para não te perderes.... ;-)

Beijinhos da Verdinha

 
At 4:06 PM, Blogger Berta Helena said...

Gosto do Mar. Do movimento. Da imensidão. Das inquietudes. Dos dias de calma. Gosto de me deixar embalar nos braços das suas ondas, de entrar no infinito das águas e partir à descoberta, de serenar-lhe os desassossegos, de olhá-lo pacatamente quando dorme, a maresia a inundar-me. E de chegar a todas as margens que me faz imaginar.
Quem seria eu sem o Mar?
Mas gosto do rio. Das margens e da corrida para o Mar. Do som das águas cristalinas e de sentir os meus pés chapinharem à beirinha.

Um abraço ilhéu, Mixtu.
(Não estou de regresso. Só de passagem. Gostei do teu texto e apeteceu-me escrever. Até um dia.)

 
At 4:53 PM, Blogger Menina do Rio said...

Construir pontes... Não é o que temos feito vida afora? Mas que sejam pontes largas e sem pedágios, para que todos se encontrem no vão central...

Um beijo desde o lado de cá

 
At 11:07 PM, Blogger Maria Dias said...

Tanto o mar quanto o rio tem a força necessária para chegar lá...Basta ter paciência.

Obrigada por passar no Avesso.

Beijo

Maria

 
At 11:35 PM, Blogger Claudinha ੴ said...

Olá Mixtu!
Todo Rio acaba no Mar e todo Rio teve muito que passar antes de lá chegar. Se ainda é Rio,terá duas margens sim, para conter a fúria de suas águas. Mas se já for Mar, é o vento quem levará suas águas num vai e vem interminável.
Lute pelo seu rebanho e pelas margens,a final há os estreitos...
Beijo!

 
At 12:04 AM, Blogger Meret ® said...

Tus letras son una bella reflexión...

Me ha gustado mucho.


Besosssssss

 
At 12:06 AM, Blogger escorpiona said...

Un río a veces calmo, a veces con corriente fuerte y siempre deseando llegar al mar... pese a todo...

Saludos

Chau

 
At 12:56 AM, Blogger Barbara said...

Rio ou mar, é bom estar perto das águas.
Água é flexibilidade e flexibilidade é o que dizes - movimento.
Como o sangue é rio nas veias.
Vida.

 
At 1:11 AM, Blogger Arabica said...

Eu gosto de pontes, braços que constroem encontros. E gosto de deltas. De deltas imensos,
entre o doce do rio e o salgado do mar. Assim somos nós também.

Bom fim de semana, besos!

 
At 1:05 PM, Blogger laura said...

Mar, sempre mar, fui do mar, nasci junto ao rio (na fortaleza de Valença) de casa vê-se o rio Minho, sereno ou tumultuoso, conforme, conforme nós nos dias em que somos rios ou somos apenas o mar da borrasca...
Mas, gosto de me sentar nas margens do rio, e, serena, poder descansar a alma no remanso das suas águas...beijinho da laura.

 
At 12:14 AM, Blogger alejandro aparicio morales said...

muy bien me encanta
me dejas reflexionando
y creo que esa era tu finalidad
muy bien
una disculpa por no pasar antes
pero aqui me tienes
un abrazo
saludos.

 
At 2:47 AM, Blogger Sidney Ramos said...

Atravessamos uma margem a outra
em busca
do melhor caminho.
"Empurro sutil
O barquinho.
Saio sem sequer
Fazer ruído."
Obrigado pela sua nobre passagem lá no meu blog.
Um abraço.

 
At 8:11 AM, Anonymous Trini said...

Ríos que buscan al mar que, con paciencia, lo aguarda.

Saludos

 
At 11:43 AM, Blogger ~pi said...

enrola rio de uma só margem

como um cobertor no inverno

lençol de linho e verão

enrola-rio sobre o corpo

e adormece redondinho

(sem demarcação,





~

 
At 11:44 AM, Blogger ~pi said...

[ ? foste invadido pelos gringos ]

 
At 11:49 AM, Blogger ~pi said...

o mar só o que brinca

o mar só o que vai 1 passinho

e

volta

sem inquietação

o mar só o que fica

o que faz ondas

como se fossem

propostas de noivado s

[ o mar que espelha lua s

pequenas sereias de riso

nos olhos-mudos

o mar só se fosse muiiiito

invisível e profundo

como veias

mas não,

isso é rio, como direi...

? redondas veias ainda,




~

 
At 11:52 AM, Blogger in_side said...

mar e rio e soupe

d´égrilons

uma só,

um só cousa :)





*

 
At 11:53 AM, Blogger in_side said...

com um niquinho se sal,

não esquecer,,, :)






*

 
At 12:04 PM, Blogger São said...

Temos sempre que construir pontes...

Temos sempre que fazer cedências...

Temos sempre que viver socialmente...

Un abrazo.

 
At 5:06 PM, Blogger a má! said...

Lindo o texto,
realmente tens razão !

beijo ;*

 
At 8:26 PM, Blogger fgiucich said...

Somos como los ríos que se abren en varios brazos para alcanzar el mar. Hermoso pensamiento, amigo. Abrazos.

 
At 12:25 AM, Blogger Dead Porcelain Doll said...

Seria interessante, um rio com apenas uma margem!! Mas se for para limitar o teu desejo de ir mais além, já sabes... neste mundo nada funciona assim... tudo é feito para te puxar para um pouco mais além!! :) Para desejarmos, para nos tentar!! :D

E ainda bem que assim é! ;)

Beijinhos, obrigada pela visita, volta sempre!

 
At 10:25 PM, Blogger antónio paiva said...

...

"Se for Rio… espero que ele tenha apenas uma margem… Assim não terei que construir pontes e não tenho que sentir que alguém está do outro lado… numa posição inalcançável…"

utopia? e porque não?

abraço.

 
At 10:42 PM, Blogger marco said...

muito bom..........

 
At 1:23 AM, Blogger Dois Rios said...

Assim como os rios, temos também que desbravar caminhos em busca do mar. E, como muitos comentaram acima, temos nossos dias de rio e nossos dias de mar.

Beijo,
Inês

p.s. Obrigada pelo carinho da sua visita.

 
At 9:39 AM, Blogger Alma Minha said...

Divinal... como sempre!
Beijo grande

 
At 2:17 PM, Blogger Isamar said...

Tu és rio, és mar mas também és a ponte que abraça estes amigos que continuas a congregar à tua volta.

Jamais te esquecerei pastor serrano das cercanias do Mondego.

Beijinhos mil

Bem-hajas!

 
At 10:15 PM, Blogger sonho said...

Nem sempre somos rio...nem sempre somos mar...precisamos é construir pontes para chegar onde desejamos...
Beijo de um anjo

 
At 9:34 AM, Blogger MentesSueltas said...

Hola, te invito a leer un "auto-reportaje" por mis 4 años en el ciber-espacio, espero te guste.

Mil abrazos.
MentesSueltas

 
At 3:02 PM, Anonymous Bioluminiscência said...

Ainda que pequenino este é dos teus textos mais bonitos que já li...um dos que mais me fez pensar...

Na vida um dia somos rio, doces, serenos:

em crianças porque brincamos, rimos, não temos problemas;

em adolescentes porque vivemos as primeiras paixões, decisões e fazemos as primeiras partilhas;

em adultos porque alcançamos afecto, amor, estabilidade e felicidade...

E eis que um dia somos mar...A vida torna-se salgada, por vezes até violenta, fazendo-nos esquecer o doce que outrora nos deu cor...

Pensava sobre isto, quando de repente me lembrei de uma das imagens mais bonitas que vi na vida...uma daquelas que me fez simultaneamente rir e chorar, sem saber porquê!!! Agora sei...

Foi na Jamaica...o encontro do rio com o mar forma uma lagoa onde organismos microscópicos emitem uma luz fluorescente quando a água é agitada, à noite. è um fenómeno que existe apenas em 4 locais no mundo.

Agora sei que ria por influência do rio e chorava por influência do mar.

Se és rio? Se és mar? Não importa...Importa apenas que consigas encontrar na tua vida esse lugar mágico onde mar e rio se juntam porque significa que ainda que chores, choras de alegria por teres vivido momentos de intensidade única!!!

Obrigado por este texto maravilhoso.

 
At 7:57 PM, Anonymous Cöllyßry said...

Refrescante imagem, melhor ser um pouco dos dois, de quando em vez...

Gostei...

Beijito

 
At 9:56 PM, Blogger mundo azul said...

__________________________________

Bonito o seu texto! Infelizmente, não existem rios de apenas uma margem...


Beijos de luz e o meu carinho!


____________________________________

 
At 8:29 PM, Blogger Credendo Vides said...

A mí sí me gustaría ser río... fluir y sentir moverse la vida en mi interior y no el frío...
Saludos desde el Inframundo.

 
At 10:59 PM, Blogger Baby said...

"Por vezes pensamos que somos Rio… águas que correm… que nos fazem parecer que nos movemos...)"
E como é refrescante sentirmo-nos um rio, transparentes e líquidos, ora serenos ora velozes por entre margens escarpadas, mas certos de que um dia seremos mar, com um gostinho a sal e sem margens que nos prendam...
Em Novembro de 2008 fiz um post com um poema a que chamei "Como um rio". Penso que nessa altura andavas guardando as tuas ovelhas, ausente de nós.
Vai à procura, gostava que o lesses.
Um beijo, já tinha muitas saudades de todos.

 
At 11:48 PM, Blogger Sophiamar said...

És rio, és mar, és lago, és fonte de amizade e de união.
Que não nos abandones mais querido Mix.

Mil beijinhos do meu mar do sul

 
At 1:39 AM, Blogger Graça said...

[Obrigada pela visita ao meu "palco".]

Ser rio de margem só, não construir pontes... é ambicionar a dimensão do mar. Que sejas mar, então, e no ondear de maré-cheia encontres quem está do teu lado.

Sabes??? Gostei de vir aqui!

Um beijo meu

 
At 10:18 AM, Blogger A. said...

This comment has been removed by the author.

 
At 10:43 AM, Blogger Secreta said...

Infelizmente não posso regar as flores porque também vou de férias!
Hm... será que vamos juntos ?!
Deixo um beijito .
Até breve!

 
At 12:41 PM, Blogger aflores said...

O guardador de rebanhos (apenas de ovelhas) já anda de férias, ou...por lá caminha?
De uma ou de outra forma, eu estarei deste lado, até que regresses. Depois parto eu :):)

"bouas bacances" :)

Grande abraço

Tudo de bom.

 
At 9:08 PM, Blogger Baby said...

Falando de rios...

Sou como um rio…
E tu a água que desliza no meu leito,
Esse leito que se afunda sempre mais
Com o peso do amor que há em teu peito!

Os dois somos um rio…
Mas não sabemos já
Quem é água e quem é leito
Porque o rio que nós dois somos
De rio não mais jeito,
Ficou tão grande e tão profundo
Que mais parece o mar…
E o mar é como o mundo
Não há margens que o consigam segurar.

Beijos.

 
At 6:33 PM, Blogger Papoila said...

Querido MIXTU:
Será que sou rio? será que sou Mar?
Sou rio que flui... sou mar de calmaria ou de ondas bravas... sou areia...
Lanço pontes... faço-me ponte para a outra margem...
Adoro o Mondego e as pastagens Norte da serra... bom queijo...
Voltei!
Beijos

 
At 12:05 AM, Anonymous espelhodesombras said...

Amigo Mixtu, com certezas és Rio, és Mar, Oceanos, sem pontes, ou montes sem cercas, e sempre estarás do mesmo lado do Rubicon, quanto teus amigos...
Belo texto-poema, ou ao contrário...
Abraço
João Costa Filho

 
At 5:05 AM, Blogger Cris Animal said...

Oi Mixtu, vindo conhecervc ....rs

Que seja água! Que seja transparente e reflita a luz do sol. Rio ou mar?
Ahhhhhhhh, não importa . Que seja água que mata a sede, lava a alma, escorre na face, banha o corpo, se faz vinho...

Lindo texto...queria ser rio....rs
beijos meus

 
At 6:18 PM, Blogger Multiolhares said...

enquanto somos rio, temos de transpor as nossas próprias pontes temos de desbravar o nosso inalcançavel, mas quando chegamos ao mar descobrimos q8ue valeu a pena subir e descer vales para sentir o todo do mar~
beijos

 
At 7:33 PM, Blogger Meret ® said...

Te deseo que pases unos días maravillosos.

¡Disfruta!...

Besos.

 
At 11:31 PM, Blogger Silvia Cristina said...

Gracias por visitar mi lugar y dejar comentario.

Interesante tu escrito..para reflexionar....que lindo ..parecernos al rio...

Saludos,

Silvia Cristina

 
At 1:29 AM, Blogger ~pi said...

rio que se nade

5 braços crawl

3 de risos costas

a flu tu ar ~

10 peixes vermelhos

de boca redonda

asas de veludo

( lisinhos-lisinhos

a abrir e a fechar,

entram pela gruta

e saltam no ar

- acorda acrobata

sem-fio sem-linha

volta a mergulhar




~

 
At 1:33 AM, Blogger ~pi said...

rio mixtu,

se vai pra norte ou pra sul

[ mar ou fonte será...

pois sísifo em mim largou a pedra,

e deitou-se no feno a dormir a.. sesta :)




~

 
At 1:35 AM, Blogger ~pi said...

mar ou fonte ou... o mais lindo,

a flu en te






~

 
At 8:40 PM, Blogger O2 said...

Xcellente!


Adorei o texto.

 
At 11:07 PM, Blogger alma said...

Los principios siempre son difíciles...

 
At 5:36 AM, Blogger alejandro aparicio morales said...

un gusto visitarte hermano
un gusto leerte
es un placer
que tengas un gran dìa
te mando buena vibra y mis mejores deseo
un abrazo.

 
At 10:32 AM, Blogger Antona said...

Hola
Paso a dejarte mis saludos
UM abraÇo

 
At 1:23 AM, Blogger su said...

Enquanto não desbravamos caminho...arrepiamos esse mesmo caminho...

É bom saber que já andas por aqui, por estas lides!

Beijinhos.

 
At 5:42 PM, Blogger Nilson Barcelli said...

Voltei... mas o teu rebanho continua no mesmo sítio... acho que já comeram as raízes...
Abraço.

 
At 8:52 PM, Blogger Leonor said...

essa questao de querer ter so uma margem para nao ter de construir pontes tem que muito que se lhe diga, mixtu......
ai tem, tem
beijinhos

 
At 1:10 AM, Blogger bàrbara said...

somos un poco de todo...somos trasformables aunque aveces nos pasamos

 

<< Home

António Vega-Lucha de gigantes

_______________________________________________25.000 visitantes (Anterior counter),
ecoestadistica.com