Wednesday, September 08, 2010

Mi colega pastor/meu colega pastor


Siempre aprendí a apreciar mi colega pastor que tenía un rebaño del otro lado del monte, persona solidaria, de pocas palabras… vino a la sierra por amor…


Había ido a estudiar a Coimbra, ciudad grande, y allí conoció a una chica encantadora, cariñosa, bonita, de ojos del color del mar,



La chica también era natural de la Sierra, al contrario que el pastor ella se adaptó a la gran ciudad… se convirtió en una persona dinámica en constante movimiento… detentora de una época en la que no se tiene tiempo para nada, tal es la cantidad de cosas que se tienen que hacer…



Se amaban y por amor se dejaron… ella necesitaba hacer la vida con una persona igualmente dinámica… para tener una vida tranquila no hubiera salido de la Sierra… él intentó ser esa persona dinámica que ella deseaba, pero iva contra su naturaleza, la Sierra estaba en su cuerpo y en su alma…



Ayer… las campanas de la iglesia tocaron a rebato… por el número de campanadas… el pueblo dijo, “era un hombre”…



Acababa de morir mi amigo pastor… Pocas personas en el funeral… sólo las que hacía falta que estuvieran presentes… 4 personas para llevar el ataúd…

Fue en la tumba nº5 en la fila 12 del cementerio en Sabugueiro... en la tumba nº 5 en la línea 11, justo frente a la tumba del pastor... la niña de los ojos del color del cielo...

Hablé con el enterrador: "No lo puedo hacer... solo los sacerdotes son enterrados así" pero finalmente accedió...

Después de haberse ido todos, empujamos la caja y la giramos hacia oriente...

después de tantos años separados... tienen mucho que hablar... cara a cara...

Descansa em paz, Alberto,




*


Sempre aprendi a admirar o meu colega pastor que tinha um rebanho do outro lado do monte, pessoa solidária, de poucas falas… veio para a serra por amor…



Tinha ido estudar para Coimbra, cidade grande, e aí conheceu uma menina meiga, carinhosa, linda... de olhos cor do mar,


A menina era também natural da Serra mas, ao contrário do pastor, ela adaptou-se à grande cidade… tornou-se uma pessoa dinâmica… um correr constante… detentora de um tempo onde não se tem tempo para nada, tal é a quantidade de cousas que se tem que fazer…



Amavam-se e por amor se deixaram…

ela necessitava de fazer vida com uma pessoa igualmente dinâmica… para ter uma vida calma ela não teria saído da serra… ele tentou ser essa pessoa dinâmica que ela desejava mas ia contra a sua natureza, a serra estava no seu corpo e na sua alma…



Ontem… os sinos tocaram a rebate… pelo número de sinais… logo o povo disse: “foi homem…”



Tinha acabado de falecer o meu amigo pastor…

Poucas pessoas no funeral… só as que faziam falta é que estiveram presentes… Eu e mais 3 pessoas para carregarem nas 4 pegas do caixão…


Ficou na campa nº 5 da fila 12 do cemitério do Sabugueiro… na campa nº 5 na carreira 11, mesmo em frente à campa do pastor… a menina de olhos cor do céu…



Falei com o coveiro: “não o posso fazer… só os sacerdotes são enterrados assim” mas acabou por anuir…



Depois de todos terem saído… puxámos o caixão e virámo-lo para nascente…

depois de tantos anos separados… eles têm muito que falar… olhos nos olhos…


Descansa em paz… Amigo,


*


Tradução de castellano para portugués: Carminha,



51 Comments:

At 5:55 PM, Blogger Maite said...

Caro Mixtu

Não tenho nenhum comentário inteligente para fazer :(

Fiquei em estado de choque com esta sua história

Abrazo e buenas tardes para ustede

 
At 7:00 PM, Anonymous Boop said...

Que história bonita pastor!
Voltarei mais tarde para a reler e te dizer o que me fez pensar!

Bj

 
At 7:20 PM, Anonymous cõllybry said...

Tambem admiro muito os Pastores, linda hitória esta Tua...

Beijoca da Invicta

 
At 8:24 PM, Blogger Franziska said...

Me quedo con la sensación de que no he entendido algo en el relato y me pregunto qué hace esa mujer tendida en la calle. Perdona mi torpeza pero algo se me escapa. La muerte de él es cierta pero ¿y ella?

 
At 9:58 PM, Blogger Meret ® said...

Una historia sensilla y bonita...
Te felicito.

Besos.

 
At 10:05 PM, Blogger Multiolhares said...

Se essa história é verdadeira é muito triste, mas no entanto os grandes amor sempre se reencontram se não na terra em outras dimensões
beijos

 
At 1:30 AM, Blogger Claudinha ੴ said...

Meu caro amigo, um dia todo temos que ir, mas nunca é fácil! Que bom que pôde fazer algo de importante para ele no último instante. Gosto desta poesia com que encara a vida. Que seu amigo Pastor esteja bem, em outros campos e serras, em retorno ao criador.
Lembrei-me do filme que adoro "Amor além da vida".
Um beijo!

 
At 1:47 AM, Blogger sonho said...

Esta tua linda história só prova que...o amor vençe qualquer diferença entre pessoas:)
Uma história triste...mas muito linda
Beijo de um anjo

 
At 1:57 AM, Blogger Boop said...

Contigo é assim... a história parece tua...

Como se a dor de uma perda se instalasse. Dois que se amam mas que se atropelam em sonhos desencontrados.

Este texto, a mim, fala-me de uma última esperança de que o desencontro não seja para sempre. Que um dia, mesmo que seja para além dos dias, haja espaço para um reencontro. Desta feita sem atropelos, sem desencantos......

E é esse reencontro que alimenta as horas, os dias, os meses, os anos, de um pastor solitário...

Mas o que sei eu?

 
At 10:30 AM, Blogger Antona said...

Bonita historia,la imagen preciosa

um abraÇo

 
At 10:40 AM, Anonymous Líder said...

curioso o teu post...
sempre ouvimos "até que a morte vos separe"
na estória a morte voltou a unir... para sempre...

un beso

 
At 10:58 PM, Blogger Teté said...

Parece que as forças do universo se conjugaram para determinar que a morte juntasse, aqueles a quem a vida tinha separado... :)

Bonita história!

Abrazo citadino!

 
At 11:19 PM, Blogger Sophiamar said...

Unidos para sempre na vida eterna. Esta parece mais uma história de amor do tipo Pedro/ Inês. Uniu a morte aqueles que a vida quis separar.

Bem-hajas, pastor!

Beijinhos

 
At 11:27 PM, Anonymous sonho said...

a voltar a reler voltei a chorar.
Corremos tanto e para quê?
Reparo agora que A tua tradutora escreve Alberto, tu escreves Amigo, falamos de ti pastor?
Acontece contigo?

que um anjo te beije.

 
At 11:07 AM, Blogger Alma Minha said...

Lindo...com sempre!!!
Beijo grande e obrigada pelas visitas...

 
At 3:24 PM, Blogger Secreta said...

Um grande amor é sempre um grande amor...

 
At 3:02 AM, Blogger Eli said...

Soou-me a verdadeiro... e resumo que às vezes passamos demasiado tempo afastados procurando algo... quando podemos ser felizes mais, sem adiar. O tempo é mesmo muito relativo.

:)

 
At 4:06 AM, Blogger Barbara said...

São as pedagogias da vida...às vezes implacàvelmente poéticas...

 
At 5:53 AM, Blogger Paulina said...

Es tan complicado a amar a alguien tan diferente y sentir que uno quiere remar hacia un lado y el otro al contrario , estoy metida en algo asi , aun asi el amor esta tambien me he cuestionado dar pie atras asi como la mujer de tu relato hoy , me llego esta historia .Triste porque no pudieron vivir su amor aunque tal vez en la eternidad si puedan que asi sea.
Un abrazo grandote .

 
At 3:52 PM, Blogger Carla said...

nem a morte os separa
adorei
beijo

 
At 11:51 AM, Blogger Nilson Barcelli said...

Comovente a tua história.
E bonita, apesar da morte estar presente.
Caro amigo, bom fim de semana.
Abraço.

 
At 10:43 PM, Blogger MalucaResponsavel said...

n tnh palavras. mm. ainda há hist assim?

 
At 3:22 PM, Blogger in_side said...

`detesto o amor´


http://www.youtube.com/watch?v=r_w_lckqz8A

 
At 3:25 PM, Blogger in_side said...

de test

o o

a mor

 
At 3:34 PM, Blogger in_side said...

black bird ]

pássaro negro - melro - corvo


http://www.youtube.com/watch?v=eOsyutGsx_0

 
At 6:37 PM, Blogger Baby said...

"Olhos nos olhos" e eu com os meus inundados de água.
Só um pastor da serra, para unir na morte aqueles que a vida separou.
Ninguém como tu para contar histórias.

Abraço forte.

 
At 9:27 PM, Blogger Papoila said...

Querido Mixtu:
Que lnda esta história! Deixou-me um nó na garganta, mas o final recordou-me Pedro e Inês... O amor perdura na eternidade
Beijos

 
At 12:22 PM, Blogger fgiucich said...

Una hermosa historia de amor. Abrazos.

 
At 8:36 AM, Blogger alma said...

No se puede ir contra la naturaleza de uno...

 
At 5:04 PM, Blogger Secreta said...

Passei por cá , para visitar-te.

 
At 9:40 PM, Blogger Ana S. said...

As histórias de amor são sempre tristes! Custava inventarem um final feliz em que todos vivessem para sempre? :(
Besos

 
At 2:54 AM, Blogger Sidney Ramos said...

Saudades que senti de você e suas palavras sempre de carinho e que traz um ideal de futuro com amor e solidariedade recheado de poesias.
Abraço.

 
At 5:12 PM, Blogger Goathemala said...

Una historia de amor triste pero sentida.

Tengo la suerte de conocer algunos pastores, los últimos que quedan

Un abrazo.

 
At 9:16 AM, Blogger TriniReina said...

Si no pudieron en vida, al fin juntos en la muerte.

Que bella y triste historia

Descanse en paz

Saludos

 
At 12:03 PM, Blogger ~pi said...

? crocodilos comem

pastores

crocodilos comem

ovelhas

cabras

carneiros

crocodilos são

troncos vegetais que

choram ?





~

 
At 12:07 PM, Blogger ~pi said...

crocodilos choram porque

COMEM também os filhos

têm essa natureza

desempática

e choram

o que é um mistério

sendo um mistério

[ sem mistério

porque chorar

é como apanhar um comboio

para nulle part

tanta coisa para parir

e o fim logo à ponta da

minúscula cauda,

assim,




~

 
At 12:14 PM, Blogger ~pi said...

? apregoas o sol

e as trevas cobrem-te

os cemitérios sendo belos

não são o único lugar

] havendo também comboios-cemitério

ilhas-interminavelmente redondas

fantasmas de ambos,

nasce-te sol e lua

nas mãos [ nasceste com esse

dom, mas não o queres,

depois choras também,

dizes que não mas juro que sim,

no te rindes

[oh... más si, que te rindes siempre

à tentação do tu antigo,

bem, não quero brincar

não quero brincar

e

não quero brincaaaaar

de morta,





~

 
At 4:43 PM, Blogger Menina do Rio said...

Não há como fugir da sina. Ainda que fosse além da eternidade...

Beijos deste lado

 
At 8:38 PM, Blogger Malena said...

Es una preciosa y triste historia de amor, Mixtu, un amor que en vida no se pudo realizar pero sí en ese sueño eterno que es la muerte.

Mil beijos.

 
At 11:55 PM, Blogger Graça said...

Uma história... apenas uma, como tantas outras [sem o 'viveram felizes para sempre' ou o 'até que a morte os separe'], porque no amor, nunca se sabe.

Beijo e obrigada por passares por lá.

 
At 2:30 AM, Blogger Sidney Ramos said...

Olá mixtu,

Passando para desejar um bom início de semana para você.

 
At 12:37 PM, Blogger rendadebilros said...

pois o mar ( da cor dos olhos) é por vezes a perdição... a separação... talvez se encontrem pela eternidade... contaste-a muito bem...como é habitual.
Abraço.

 
At 6:43 PM, Blogger Francis said...

Diz-se que as vezes do ponto mais alto da Serra se pode estender um braco e agarrar uma estrela.

Outras vezes, digo eu, erguemos os dois bracos e somos levados por elas.

E assim que me quero ir... levado pelas estrelas para poder contemplar o mundo pequeno la de cima.

Aquele abraco!

 
At 7:05 PM, Blogger rendadebilros said...

Não sei se já te disse, mas não estarias interessado em organizar os teus textos e autopublicálos? Dá uma espreitadela aqui www.bubok.com ou bubok.pt
Se calhar já conheces, mas enfim... lembrei-me.

 
At 8:17 PM, Blogger mariam said...

Mixtu,

um texto fantástico.
real ou não ... de fazer pensar...

um abraço e um sorriso :)
mariam

 
At 10:06 PM, Anonymous la-vie-en-rose said...

A vida não é linear, é vivida de forma diferente por cada ser humano... neste caso um pastor com a serra no coração e uma menina que prefere a cidade, é realmente dificil conviver com as diferenças de cada um, mas ainda bem que assim é, um desafio constante, e de acordo com a tua linda historia eles so se reencontraram na morte.
Que pena não terem vivido esse amor em vida.

 
At 7:47 AM, Blogger aflores said...

Neste caso, a morte não os separou.
Grande Abraço;)

 
At 4:16 PM, Blogger Baby said...

Ahhh Mixtu, o mar a bater no peito...ás vezes faz doer, mas outras vezes lava as dores, dependendo da força com que bate!
Agora estou longe dele, nas terras altas da Beira, tão lindas, tão verdes e acolhedoras.

Um beijo.

 
At 7:41 PM, Blogger Cris Animal said...

Uau....acho que as palavras fugiram!
Como diz o Pequeno Príncipe"quando o mistério é grande demais ..."

Intrigante, forte e lindo.

Belo post, Pastor! isso me leva por caminhos da eternidade.

beijo grande

 
At 11:27 AM, Blogger São said...

Desculpa, mas estou sem palavras.
Abraço.

 
At 9:19 PM, Anonymous Je Vois la Vie en Vert said...

Foi uma pena terem esperado a morte para se juntar mas como acredito numa vida depois da morte, afinal a tua história não é tão triste como parece.

Beijinhos

Verdinha

 

<< Home

António Vega-Lucha de gigantes

_______________________________________________25.000 visitantes (Anterior counter),
ecoestadistica.com