Monday, March 19, 2007

Poesia medieval castellana e portuguesa (Seminario de Salamanca)


Um poema simples de João Ruiz C. Branco, para mim, o mais belo de pura tradição amorosa,

Senhora, partem tão tristes
Meus olhos por vós, meu bem,
Que nunca tão tristes vistes
Outros nenhum por ninguém.

Tão tristes e tão saudosos,
Tão doentes da partida,
Tão cansados e chorosos,
Da morte mais desejosos
Cem mil vezes que da vida.
Partem tão tristes os tristes,
Tão fora de esperar bem,
Que nunca tão tristes vistes
Outros nenhum por ninguém.

Um texto satírico de D. João de Meneses, desde há muito o meu autor preferido pois cada poema é um fartote de rir, neste, Dona Guiomar não tem muito jeito no beijar, por isso deve ser macho, logo… nada de entrepernar:)
.

Senhora, eu vos não acho
Razão para rafiar
E beijar tão sem empacho
Dona Guiomar
Salvante se vós sois macho.

Se o sois e não sois dama,
É mui bem que o digais,
E também deve sua ama
Não querer que vós jazais
Só com ela em uma cama.
Confessai-nos que sois macho,
Ou que folgais de beijar,
Que doutra guisa não acho
Razão de entrepernar
Tal dama tão sem empacho.

Jorge Manrique autor de poemas cancioneriles que constituyen la cima de la poesía castellana medieval,

Recuerde al alma dormida,
avive el seso y despierte
contemplando
cómo se pasa la vida,
cómo viene la muerte
tan callando.
.
Cuán pronto se va el placer,
cómo después de acordado
da dolor,
cómo, a nuestro parecer,
cualquiera tiempo pasado
fue mejor.
.
Y pues vemos lo presente
cómo en un punto se es ido
y acabado,
si juzgamos sabiamente,daremos lo venido
por pasado.
.
No se engañe, no,
pensando que ha de durar
lo que espera
más que duró lo que vio,
porque todo ha de pasar
por tal manera.
.
Nuestra vidas son los ríos
que van a dar en la mar,
que es el morir;
allí van los señoríos
derechos a se acabar
y consumir
;allí los ríos caudales,
allí los otros medianos
y más chicos,
allegados; son iguales,
los que viven por sus manos
y los ricos.
(...)
Este mundo es el camino
para el otro, que es morada
sin pesar;
mas cumple tener buen tino
para andar esta jornada
sin errar.
Partimos cuando nacemos,
andamos mientras vivimos,
y llegamos
al tiempo que fenecemos;
así que cuando morimos
descansamos.
(...)

196 Comments:

At 12:59 PM, Anonymous Anonymous said...

Hemos hecho buen trabajo...
D. Juan de Meneses, Recuerda lo que te dije en el mail,

Besoss

 
At 1:15 PM, Blogger mixtu said...

Muchas gracias a una colega blogare (que pretende quedar en anonimato, porque dice que yo soy como D. João de Meneses, non…) e deseos de un bueno seminario de Poesía medieval en que se hablará también de poesía galaico-portuguesa,
Muy me agrada lo conocimiento de nuestra poesía medieval, un dos temas de suya palestra,
Así se hace la blogoesfera, así hace sentido tener un blog que piensa la hispanidad, muchas gracias Anónima,;);)
Un amigo, hijo de D. João de Meneses e de Dona Guiomar;);)

 
At 1:28 PM, Blogger Lagoa_Azul said...

E continuamos a alimentar a alma com a mais bela poesia...

 
At 1:37 PM, Blogger Lagoa_Azul said...

Meu amigo Mixtu querido,


Sá de Miranda (1481-1558)

Desarrezoado amor, dentro em meu peito
Tem guerra com a razão, amor que jaz
E já de muitos dias, manda e faz
Tudo o que quer, a torto e a direito.

Não espera razões, tudo é despeito,
Tudo soberba e força, faz desfaz,
Sem respeito nenhum, e quando em paz
Cuidais que sois, então tudo é desfeito.

Doutra parte a razão tempos espia,
Espia ocasiões de tarde em tarde,
Que ajunta o tempo: enfim vem o seu dia.

Então não tem lugar certo onde aguarde
Amor; trata traições, que não confia
Nem dos seus. Que farei quando tudo arde?



Uma boa tarde para ti, beijos com carinho

 
At 1:42 PM, Blogger mixtu said...

"Meu amigo Mixtu querido,"

Belo início para um poema medieval, lol, satírico, de preferência, lol
jinhos (...)

 
At 1:45 PM, Blogger wind said...

Boa selecção de poemas:) beijos

 
At 1:47 PM, Blogger Maria Pedro said...

Oh, que saudades daquele tempo em que o humor era feito à base de figuras de estilo e outros recursos subtis!

 
At 1:53 PM, Blogger Dani said...

Obrigado pela partilha de algo que desconhecia.

 
At 1:59 PM, Blogger Lagoa_Azul said...

E esta então meu doce amigo Mixtu,

Francisco Rodrigues Lobo (1579-1621)


Coração olha o que queres:
Que mulheres são mulheres…

Tão tirania e desigual
Sustentam sempre a vontade
Que a quem lhes quer de verdade
Confessam que querem mal:
Se Amor para elas não val,
Coração, olá o que queres:
Que mulheres, são mulheres…

Se alguma tem afeição
Há-de ser a quem lha nega,
Porque nenhuma se entrega
Fora desta condição;
Não lhe queiras coração,
E senão olha o que queres:
Que mulheres, são mulheres…

São tais, que é melhor partido
Para obriga-las a tê-las,
Ir sempre fugindo delas,
Que andar por elas perdido;
E pois o tens conhecido,
Coração, que mais lhe queres?
Que, em fim, todas as mulheres!


Cada vez que me questiono sobre a origem da guerra de sexos, leio este poema lollllllll, e creio que foi logo na criação que se gerou essa saudável diferença…

e pronto não empurres…ta bem….
estou já a dar escape….lolllllllll

 
At 2:04 PM, Blogger bohemiamar said...

Una gran verdad. Y en algunos casos descansan los demás también. Un saludo.
bohemiamar.

 
At 2:21 PM, Blogger Rui said...

Não conhecia. Muito bom.

 
At 2:47 PM, Blogger Sunshine said...

Adorei o poema embora cansar-me um pouco de poetas que pensam conhecer alguem somente por lhes olhar nos olhos... sim, os olhos são os espelhos da alma mas não há nada como comunicação verbal (e outras...) para conhecer verdadeiramente uma pessoa. Isso é o desafio da realidade!

 
At 2:59 PM, Blogger Pryncesazul said...

Mixtu, hermosa poesia, sabes no la alcanzo a decifrar toda pero parte de ella si, perdon, ji,ji, te sigo leyendo
cuidate mucho
besos y abrazos
bye

 
At 3:34 PM, Blogger Luisa said...

A poesia de Castelo Branco é um encanto!

 
At 3:53 PM, Blogger greentea said...

conheço mui bem a primeira poesia de João Ruiz; achei deliciosas as outras...
um beijo para ti

 
At 4:30 PM, Blogger Lila Magritte said...

Te felicito por este maravilloso post.
Además adoro a Manrique.

Beijos.

 
At 5:29 PM, Blogger butterfly said...

Olá!!
Muito boa escolha...de facto,João Ruiz C. Branco também me pareceu um poeta de pura tradição amorosa...muito bonito...boas escolhas!!
Beijinhos e bom fim-de-semana!!

 
At 5:29 PM, Blogger butterfly said...

Olá!!
Muito boa escolha...de facto,João Ruiz C. Branco também me pareceu um poeta de pura tradição amorosa...muito bonito...boas escolhas!!
Beijinhos e bom fim-de-semana!!

 
At 5:38 PM, Blogger clotilde said...

Beijinho, beijinho, beijinho

 
At 5:55 PM, Blogger Darilea said...

Todo lo que es mediaval me encanta
imaginate siendo poesía.
Besitos.
Darilea

 
At 7:01 PM, Anonymous Paty said...

Mixtu agora fizeste-me recuar às minhas aulas de literatura do secundário...ehehehe nunca fui gd espiga nessa parte da matéria, mas houve alguns poetas que me suscitaram coriosidade. Um beijinho gd para ti e um sorriso...
Beijos ;)

 
At 7:22 PM, Blogger Bohemia said...

Muy interesante...
SAlu2

 
At 7:33 PM, Anonymous Adriana said...

Lindo, recibe muchos saludos

 
At 7:56 PM, Blogger Gab said...

Mixtu, siempre te leo, pero a veces no tengo tiempo de comentar en los blogs que me interesan.

Me gusta mucho la poesía medieval y me gusta también el tipo de gente que entra a comentarte.

Beso

 
At 8:15 PM, Blogger Joana said...

gostei do primeiro... fartei-me de rir com o segundo=)=)=)=)=)=)

 
At 9:09 PM, Blogger clotilde said...

Beijinho e boa noite!!!!!11

 
At 9:26 PM, Blogger Joana said...

uma breve, mas ao mesmo tempo perfeita, descrição desta breve passagem que é a vida... gostei particularmente dos últimos versos
Partimos cuando nacemos,
andamos mientras vivimos,
y llegamos
al tiempo que fenecemos;
así que cuando morimos
descansamos


perfeito.
parabéns...

 
At 9:27 PM, Anonymous azzura said...

Increíble el poema de Jorge Manrique;
Recuerde al alma dormida,
avive el seso y despierte
contemplando
cómo se pasa la vida,
cómo viene la muerte
tan callando.

dan escalofríos..
beijinhos Mixtu;)) gracias por compartir

 
At 9:28 PM, Blogger filomena said...

Bela referência.

Beijos

 
At 9:30 PM, Blogger mixtu said...

Doce Lagoa,
Sá de Miranda, era um bom moço, muito influenciado pela escola italiana,

Agora o Rodrigues Lobo, encheu-me as medidas, como ele conhecia as mulheres, aí está... descobriu o enigma do SER MULHER,

Partilhando, porque sei que amas poesia medieva, nestes dias aprendi uma cosa interessante, isto de me dar bem com gente culta….a poesia galaico portuguesa não era só dos galegos e dos portugueses, durante várias décadas, por exemplo na Corte de Afonso X, a poesia leonesa e castellana era escrita e cantada apenas na língua galaico-portuguesa pois tinha um doce som, cosa que não era pertença do leonês e do castellano e daí que em qualquer monografia de poesia de nuestros hermanos a galaico-portuguesa ocupar um lugar de destaque, senão de maior destaque pois todas as Espanhas escreviam nessa língua,

Beijos doces que eu vou tirar a limpo algo que me foi transmitido sobre Gil Vicente... espero que só se tenha inspirado e não copiado, até amanhã na mesma esplanada, em frente ao coreto azul e amarelo,

 
At 10:02 PM, Blogger Lagoa_Azul said...

Mas claro meu doce amigo Mixtu, a esplanada nos espera, com um chazinho adocicado com mel, e uma boa dose de conversa sobre poesia medieval...
Não marques compromisso para resto da tarde ;)

Deixo-te beijos de boa noite , sempre com carinho...

 
At 10:07 PM, Blogger La Revolución de las Costillas said...

Que lindo blog. Me gusta esta poesía que no conocía.

Saludos!

 
At 10:19 PM, Anonymous Marian said...

Ahhh, Jorge Manrique... Me gusta como nos acercas la poesía por tí sentida.
Un besín

 
At 10:59 PM, Blogger Mourinho said...

ora bem!
já que estamos em maré de poesia
aí vamos nós.


Para minha felicidade
abraça-me dá-me carinhos
como prova de amizade
meu amor dá-me beijinhos.

Que saudade eu tenho
de contra a mim te apertar
não resisto não me contenho
meu amor sem te beijar.

Ando louca apaixonada
por ti só por ti meu bem
quero por ti ser beijada
para te beijar também.

O teu abraço, teus beijos
para mim são tão fofinhos
abraça-me mata meus desejos
meu amor dá-me beijinhos.


A.D.Ventura.

 
At 11:00 PM, Blogger Eddy said...

bella poesia, felicidades, saludos..

 
At 11:03 PM, Blogger gota de tinta said...

hola mixtuu!!!

que tal????, gracias por recordarme y por pasar a verme...de verdad

bonita poesia, me recuerda a una de Nezahualcoyotl, el rey poeta...

no por siempre en la tierra
solo un momento aqui
el jade tambiens e rompe
el oro tambien se quiebra
hasta lo mas hermoso se pierde
no por siempre en la tierra
solo un momento aqui

(dicxe algo asi), no estoy segura...pero el contexto es el mismo, la vida es una y hay que disfrutarla, porque despues hay algo ams que no sabemos, pero a lo que todos llegaremos....

besitos desde Mexico!!!

 
At 11:06 PM, Blogger papoilasaltitante said...

Excelentes...ambos!!

 
At 11:13 PM, Blogger alfazema said...

Nem sabes Mixtu quanto me fizeste recuar no tempo: tinha dezasseis anos, andava no sétimo ano do liceu, e inscrevi-me numas aulas de Arte de Dizer, para ocupar os meus tempos livres.O primeiro poema que o meu saudoso professor e mais tarde grande amigo,me sugeriu que lesse foi este de João Roiz de Castelo Branco: "Senhora partem tão tristes meus olhos por vós meu bem...". Deste segui para outros até à realização de um auto de Gil Vicente, tudo a nível estudantil.
Este mundo da blogoesfera é isto, encontrarmos algo em que nos detemos e nos faz recordar, sonhar, subir bem alto e ver, inesperadamente, o mundo pintado de uma cor como há muito não acontecia.
Um beijo

 
At 12:35 AM, Blogger incondicional said...

Me encantaaaaaaa, te dejo otro

GLOSA
A su mote que dice: "Ni miento ni me arrepiento"

Ni miento ni me arrepiento,
ni digo ni me desdigo,
ni estoy triste ni contento,
ni reclamo ni consiento
ni fío ni desconfío;
ni bien vivo ni bien muero,
ni soy ajeno ni mío,
ni me vengo ni porfío,
ni espero ni desespero.

Fin

Conmigo solo contiendo
en una fuerte contienda,
y no hallo quien me entienda,
ni yo tampoco me entiendo;
entiendo y sé lo que quiero,
mas no entiendo lo que quiera
quien quiere siempre que muera
sin querer creer que muero.


Un abrazo.

 
At 1:01 AM, Blogger chocoadicta said...

El de D. João de Meneses es muy simpático...

 
At 1:04 AM, Blogger cintya said...

muy bello!!!!, excelente
besos

 
At 1:13 AM, Blogger mixtu said...

This comment has been removed by a blog administrator.

 
At 1:20 AM, Blogger mixtu said...

Num dia em que a POESIA descansa, pois todos os(as) guerreiros descansam,
descansam mas, não dormem...
Abraços,
e obrigado a quem veio de longe, muitas a pé, para partilhar poesia,
Nezahualcoyotl, el rey poeta do México trazido pela amiga G. de tinta,
a minha grande amiga Incondicional(mente) das Astúrias con una glosa
e a Mourinho (será que é o José a passar-se por Guiomar)
Vou beber um copo, amigas(os) da Europa...caminha

 
At 2:49 AM, Anonymous Maribel said...

Muy lindo..con mucha sensibilidad como acostumbras.
Un besito
Maribel

 
At 3:47 AM, Blogger Claudia Perotti said...

Simplesmente divino!
Beijinhosssss

 
At 4:06 AM, Blogger Pau said...

Me encanta venir por acá... Siempre cosas lindas!!

Besos!!

 
At 1:33 PM, Blogger Wakewinha said...

Mas que belíssimo seminário! =) Foram reunidas muito boas palavras, sem dúvida...
Beijito e bom final de semana*

 
At 1:34 PM, Anonymous pequenita (quando o teu corpo e o meu) said...

Vim deixar um Sorriso :o) Que grande bênção é um sorriso presente no ser humano. Um gesto tão pequenino breve ou mesmo contínuo, que vai se propagando como suave hino! Um sorriso espanta a dor e a todos contagia. Um sorriso é como o amor que nos enche de alegria. Um sorriso faz milagres,deixa a vida bem melhor. Cura até nossos ataques quando estamos na pior. Um sorriso gera a luz,aumentando a esperança. E os efeitos que produz nos faz virar crianças. Por isso sempre agradeço a Deus, de coração este dom que não tem preço e que é pura emoção!
beijuuuuuuuuuu BOM FIM DE SEMANA

 
At 1:46 PM, Blogger Lagoa_Azul said...

Meu Querido amigo Mixtu,

A espalnada nos espera, o coreto continua com suas magnificas cores, hoje mais limpidas por lavar a alma, e como nem só de chazinho se vive na poesia...
Mandei fazer um café do antigamente, em que se coa a borra com um pano imaculadamente branco, e uma branquinha a acompanhar, preferindo escolhemos um licor, lol

Uma boa tarde, esplendorosa de chuva, e beijos sempre com carinho...

 
At 1:47 PM, Anonymous Fa said...

E por quem Sois?
Excelente escolha.
Beijos e boa semana

 
At 3:36 PM, Blogger salamandra said...

el ´día que me enamore de verdad,
le haré poemas a mi .amore.
le cantaré dos tres canciones,
me convertiré en mujer juglar.

es hermoso que tanto ames las letras, son vida.

saludos mixtu.
no abandone mi flog... extraño sus caracteres portugueses

 
At 3:40 PM, Anonymous Afrodite® said...

Olá...
Vim de dar um beijinho de Boa Tarde !
Até Mais...

 
At 3:46 PM, Anonymous Ritisabel said...

Gostei das poesias, grande selecção! Bjinho e bom fim de semana.

 
At 3:57 PM, Blogger Joana said...

Mixtu,

os poemas são as flores dos dias...
...querem-se arejados e suportados por corações como o teu! :)

Beijo grande e abraço eterno!

 
At 4:13 PM, Blogger Pryncesazul said...

gracias mixtu, ya vi tu coment, ji,ji, excelente...
cuidate mucho
nos seguimos leyendo
bye

 
At 4:15 PM, Blogger dreams said...

querido Mixtu,

a poesia é intemporal, a escolha é excelente...

mais uma vez, a blogosfera entra em acção... é partilhando que se vive e aqui ve-se isso... o prazer de partilhar contigo textos, poesias,..., é enorme e como dizia o outro, "admito que és popular"... ;)

um beijo * doce e aquele abraço (do qual tenho saudades ;) )
“·.¸Dreams¸.·”

 
At 4:51 PM, Blogger blue note said...

Bisous pour toi aussi...

Et merci!

Poésie? Dans toutes les langues... oui.

 
At 6:49 PM, Blogger peter pan said...

obrigada por enveredares pelo meu "percurso de pedra"... em relação ao poema de Joao Ruiz,traduz e exprime o que de humano e poético todos temos...

 
At 7:11 PM, Blogger Princesa said...

Mixtu amigo, é um prazer te ler sempre.
Você é como meu anjo da poesia.
Milhoes de beijos e um obrigada por tudo :)

 
At 8:48 PM, Blogger Sara MM said...

Ele que lhe ensine, à Guiomar...
Ela depois tb lhe há-de ensinar... como entrepernar como deve ser...... quem sabe sabe.....
LLLOOOOLLLL

 
At 9:33 PM, Blogger mixtu said...

Encontros de Poesia no Ribatejo,

A Vila é bonita, ruas rasgadas e bem cuidadas, casas caiadas, junto ao coreto azul e amarelo está o Café Central da Dona Guiomar, viúva do anterior proprietário colhido por um touro na praça de Santarém, não era toureiro nem forcado, o toiro saltou para a bancada e matou o Seu Hortênsio, há uma proposta de deliberação na Junta para dar a uma rua o seu nome, mas tal deliberação não é pacifica, afinal ele não morreu na arena, não teve uma morte heróica,

Sobre Dona Guiomar muitos são os que desejam o seu leito mas ela é mulher de um só homem, assim foi educada, a verdade é que o seu decote é muito vistoso, e por baixo das calças de linho branco vê-se a forma de uma cueca estreita e rendilhada,
Olhou-me de alto a baixo, que queria um forasteiro de fato cinzento e de gravata laranja, vestia à Lisboa mas não tinha prenuncia dessa urbe, seria o novo Regedor, questionava-se,

O motivo da longa viagem entrava no café, baixa, rechonchuda, cabelos castanhos, peitos fartos que se miravam pois o terceiro botão estava desapertado formando um triângulo sedutor, sorriso largo, coxa, mas não de perna, tinha acabado de danificar no empedrado o salto de um sapato, um beijo na face lhe dei, tive que me baixar e fazer-me de forte pois ao fazer esse gesto, a minha coluna ressentiu-se…

Solicitou um chá adocicado com uma colher de açúcar de beterraba e pediu para mim um café coado num pano imaculadamente branco,
Os velhos olhavam para este forasteiro “Será que é este que vai desencalhar a Leontina” questionavam-se,

Poesia medieva e humanista, Leontina era uma conhecedora desta arte, falou-me de D. Álvaro de Ataíde, de autores de influência italiana como Bernardim Ribeiro e Sá De Miranda e esclareceu-me que ao contrário de informações que me foram dadas, Gil Vicente não copiou Juan del Encina, foi influenciado pelo autor castellano mas foi profundamente original na elaboração dos temas e na concepção geral das peças de autos que com “penetração” criticou a sociedade da época,

Do outro lado da rua aproximou-se um senhor, bigode farto, vestido à campino, certamente um proprietário bem remediado nos seus réditos, Leontina ao vê-lo corou e pediu-me, “Vai, gosto muito de ti, não te quero ver sofrer, vem lá o senhor meu pai, se te vê aqui a falar comigo obriga-te a casar… vai, beijinhos sempre com carinho, meu doce amigo”

 
At 9:40 PM, Blogger Cláudia said...

Lindissimo :)
Beijinhos

 
At 10:02 PM, Blogger tree4five said...

Penso que não me importava nada de entrepernar com a ama, quanto à Dona Guiomar, de dama tem muito a desejar, é de desconfiar!!!

 
At 10:06 PM, Anonymous Adriana said...

Bueno un beijo querido Mixtu

 
At 10:11 PM, Blogger Lagoa_Azul said...

Encontros de Poesia no Ribatejo….

Leontina foi a menina mais amada de todas as meninas da sua vila,
Menina caladinha e sossegada, mas com já vontade de conhecer o mundo,
Tendo-se perdido de amores pela aventura logo aos cinco anos na travessia de um eucaliptal que existia em frente a casa de seus pais.

Cresceu a petiza que ao iniciar a escola preparatória, assim se chamava em tempos idos, já saberia escrever seu próprio nome completo Leontina Menina Traquina e o alfabeto de cor.
De tão embevecidos que seus pais estavam de Leontina, ofereceram-lhe as “mil e uma noites” aos dez anos que ela devorou na leitura pelas noites fora e prolongava pelos dias.

Menina sempre bem comportada, estudos sempre em ordem, e foi Leontina crescendo feliz. Aprendeu na mãe a ser a fada do lar que seria muito útil a Leontina, uma vez que sua amada mãe faleceu cedo, deixando-lhe como herança a saudade.
Leontina se entregou aos estudos dos números, apesar de sua paixão ser sem qualquer sombra de dúvida as letras.

E Leontina se transformou na mais cobiçada rapariga da sua vila, como tão elogiosamente a apelidaram Leontinha a mulher com o sorriso mais belo e a mais importante de toda a Freguesia.
Leontina mulher instruída e de coração meigo, mas com garra de águia, com gostos muito próprios, pois não vai em modas.

Leontina recebeu seu adorado amigo em frente ao largo do coreto, pintado das cores da sua freguesia, lindas cores essas que dão uma alegria em tons de azul e amarelo.
E nessa tarde todos os olhares da vila estavam depositados em Leontina e seu doce amigo …

 
At 7:08 PM, Blogger mixtu said...

Desde o dia 17 pelas 22.30 até às 19h00 do dia 18 este blog estava em branco, muito obrigado ao SIS e à Brigada das Minas e Armadilhas da PJ por terem resolvido este caso.
F.

 
At 7:19 PM, Blogger Margarida Atheling said...

Não podia estar mais de acordo contigo mas eu sou um nadinha suspeita! :)

 
At 7:21 PM, Blogger vane said...

poesia es lo que respiramos.....es hermoso el poema (intento descifrar el portugues!) pero el de español me gusto mas

buen blog...saludines! :)

 
At 7:48 PM, Blogger Sabinita said...

muy bonito...
saludos!!!

 
At 8:45 PM, Blogger Lagoa_Azul said...

Suspeito que foi boicote meu amigo Mixtu...
Espero que o responsavel não tenha sido um pai enrraivecido por não querer casar com Leontina, lol

Deixo-te um beijos com muito carinho...

 
At 9:39 PM, Blogger Wakewinha said...

Nenhum seminário novo...
Fica um beijo. Outro. De bom fim-de-semana*

 
At 10:26 PM, Anonymous lua branca said...

Debrucei-me sobre o meu EU
tentando desvendar os teus segredos
Queria olhar tua alma inteira
e com desvelo,
revelar-te a minha!
Meu EU somente respondeu-me uma palavra
e compreendi o que eu tanto queria
Para entender o seu EU
me bastaria que ao seu EU amasse!
Assim recolhi meus anseios
e os meus olhos fechei...

 
At 11:02 PM, Blogger Ebla said...

Ohhhhh, ¡cuánto tiempo sin leer nada de mi querido Jorge Manrique!, gracias Mitxu por traérmelo.
Besos de pegatina

 
At 12:15 AM, Blogger Musician said...

Ja tinha saudades de ler poemas desses =) Encantador!
E como eu adoro Salamanca! (suspiro)
Beijinho*

 
At 1:43 AM, Blogger incondicional said...

Holas Mixtu, vengo a desearte feliz semana e invitarte a un vídeo, éste se ve ;-).
Un abrazo.

 
At 3:21 AM, Blogger Oruga said...

muy bello, hermoso como siempre
nada más que felicitarme y agradecer q permitas leer cosas tan significativas

saludos y abrazos por montones

 
At 3:28 AM, Blogger Amapola said...

ohhh si que bello..
os dejo cariños

Amapola
@-->--

 
At 5:29 AM, Blogger Andreia Ramos said...

poesia de ler e chorar por mais!tens dom para escolher as certas!bom fim de semana!beijinho!

 
At 9:45 AM, Blogger alma said...

Los poetas rozan el inmfinito con sus corazones y a veces se dan cuenta de que no tenemos tiempo que perder...y por eso hay que vivir atentos.
Aquí y ahora.

 
At 10:39 AM, Anonymous eme said...

Hola mixtu, bonita poesia, pero tengo unas dudas.
¿Existe infierno? ¿Existe Dios? ¿Resucitaremos después de la muerte? ¡Ah! No olvidemos una cuestión fundamental: ¿Habrá mujeres allí?
Un fuerte abrazo de un amigote.

 
At 11:37 AM, Blogger clotilde said...

Feliz dia do pai!!!!!!!!

Beijinhos

 
At 12:03 PM, Anonymous Ni said...

Obrigada pela tua visita...

 
At 12:04 PM, Blogger Rosmaninho said...

Bom Dia, Mixtu!

És pai?!;)

Se o és... Sê Pai todos os dias!

~*Um beijo*~

 
At 1:34 PM, Blogger reina said...

Felicidades por tu blog, si hay algo que admiro es el don de las lenguas, y el de la poesía.

Besos.

 
At 3:45 PM, Blogger vero said...

Bom Domingo...
Beijinhos***

 
At 4:02 PM, Blogger Michelle said...

la poesía claramente no tiene tiempo y nos trasciende como seres humanos, las obras quedan como un hilo de Ariadna para introducirnos en el laberinto interior que nos conduce al alma ..saludos Michelle

 
At 4:13 PM, Blogger Penurias said...

Mixtu, muy agradable este paseo por la Historia. Parace mentira como tantas cosas, aún a pesar del paso de los siglos, siguen tan vigentes. Gracias a Dios aún tenemos mucho de aquellos ancestros. Me gustó. Un beso a mi lisboeta favorito.

 
At 4:34 PM, Blogger lena said...

sempre a surpreender-me e que bela partilha que me tocou muito

permite que te deixe:

O fogo que na branda cera ardia,
Vendo o rosto gentil que eu na alma vejo,
Se acendeu de outro fogo do desejo,
Por alcançar a luz que vence o dia.

Como de dous ardores se incendia,
Da grande impaciência fez despejo,
E, remetendo com furor sobejo,
Vos foi beijar na parte onde se via.

Ditosa aquela flama, que se atreve
A apagar seus ardores e tormentos
Na vista de que o mundo tremer deve!

Namoram-se, Senhora, os Elementos
De vós, e queima o fogo aquela neve
Que queima corações e pensamentos.

Luís de Camões

beijinhos para ti querido amigo

lena

 
At 4:49 PM, Blogger M&A said...

Eu também pelo seguro entrepernava com a ama.
lollllllllllll

 
At 4:50 PM, Blogger M&A said...

O João meneses era fixe.
lolllllllll

 
At 5:56 PM, Blogger Mel said...

Ai o que eu gosto do primeiro poema... tanto que é dos poucos que sei de cor. Lindo, o amor, não é?
Beijinhos

 
At 6:35 PM, Blogger O Quebra-Costas said...

Obrigado pela visita lá ao nosso blog (ou tentativa de blog) e também pelos excelentes poemas com que nos brindas!
Passaremos por cá mais vezes.
Abraço

 
At 9:25 PM, Blogger Poemas e Cotidiano said...

Oi Mixtu,
como vai voce, tudo bem?
Adorei essa poesia, muito engracada.
Estava vendo seus favoritos filmes, e dois deles sao os meus favoritos tambem, "Clube dos poetas Mortos" (o fim eh demais, nao, e o Rob Williams da um show!), e o Pianista.
Hoje um domingo muito "chatinho"...nao gosto de Domingos, adoro a Segunda-feira (me chame de louca!).
Beijos e otima semana!
MARY

 
At 9:28 PM, Blogger Cláudia said...

Espero que o fim de semana tenha corrido bem!
Beijinho grande miguito

 
At 10:11 PM, Blogger mixtu said...

Um abraço a todos os amigos e amigas,
Lena, Luis de Camões, o Grande... embora partilho contigo que para o entender e atendendo às minhas parcas habilitações, necessito de ter sempre ao meu lado uma professora para me traduzir tão doces e por vezes enigmáticas palavras, e que saudades tenho do tempo em que as professoras tinham disponibilidade para me "lerem" Camões, agora: "Tenho muitos testes para corrigir...", ora bolas...
Vou beber um copo já que não tenho exames para corrigir...
Qualquer cosa, não estou e nunca estive por cá,

 
At 10:36 PM, Blogger Alemama said...

Comentario #96...¡me viene muy bien Jorge Manrique al relacionarlo con mi último post en que medito sobre el valor que la muerte da la vida. Siempre me ha encantado ese poema a la muerte de su padre, ¡es tan cierto!
Saludos, ha sido un honor tu nueva visita.

 
At 10:55 PM, Blogger lena said...

mixtu, fazes-me pensar e lembrar alguém que adoro ler, entre muitos claro, eu tenho um defeito muito grande, devoro poesia
vou deixar para ti:

Cinismos

Eu hei-de lhe falar lugubremente
Do meu amor enorme e massacrado,
Falar-lhe com a luz e a fé dum crente.

Hei-de expor-lhe o meu peito descarnado,
Chamar-lhe minha cruz e meu Calvário,
E ser menos que um Judas empalhado.

Hei-de abrir-lhe o meu intimo sacrário
E desvendar a vida, o mundo, o gozo,
Como um velho filósofo lendário.

Hei-de mostrar, tão triste e tenebroso,
Os pegos abismais da minha vida,
E hei-de olhá-la dum modo tão nervoso

Que ela há-de, enfim, sentir-se constrangida,
Cheia de dor, tremente, alucinada,
E há de chorar, chorar enternecida!

E eu hei-de, então, soltar uma risada...

Cesário Verde
(1855 – 1886)

adoro ler Cesário, depois digo de quem gosto mais ler, antes que me corras aqui do teu blog, pelos poetas de devoro

beijinhos muitos, para ti meu amigo e bebe descansadito que não incomodo muito

lena

 
At 11:27 PM, Blogger mixtu said...

Lena,
Voltei e vou voltar... quando me não deixam respostas ou lançam um enigma, gosto de ir beber um copo,
Mas quem será o escritor favorito de Vossa Mercê,

Cesário... estes versos são lindíssimos,
"E hei-de olhá-la dum modo tão nervoso
Que ela há-de, enfim, sentir-se constrangida"

Aliás,
vou proceder dessa forma, sem o "tão", para a menina que me serviu o copo, ela é descomprometida... ou será que não...

 
At 11:43 PM, Blogger lena said...

mixtu enquanto bebes ei digo-te que adoro ler um dos heterônimo de Fernando Pessoa

vou deixar-te um poema dele, talvez saibas quem é:

"Todos os dias agora acordo com alegria e pena.
Antigamente acordava sem sensação nenhuma; acordava.
Tenho alegria e pena porque perco o que sonho
E posso estar na realidade onde está o que sonho.
Não sei o que hei de fazer das minhas sensações.
Não sei o que hei de ser comigo sozinho.
Quero que ela me diga qualquer cousa para eu acordar de novo."

beijinhos para ti muitos, talvez temhas sorte na menina que te serve os copos, quem sabe não é descomprometida

 
At 12:02 AM, Blogger incondicional said...

Holas Mixtu,me alegré que pudieras ver el vídeo, te dejo un poema :-)

HE ANDADO MUCHOS CAMINOS

He andado muchos caminos
he abierto muchas veredas;
he navegado en cien mares
y atracado en cien riberas.

En todas partes he visto
caravanas de tristeza,
soberbios y melancólicos
borrachos de sombra negra.

Y pedantones al paño
que miran, callan y piensan
que saben, porque no beben
el vino de las tabernas.

Mala gente que camina
y va apestando la tierra...

Y en todas partes he visto
gentes que danzan o juegan,
cuando pueden, y laboran
sus cuatro palmos de tierra.

Nunca, si llegan a un sitio
preguntan a dónde llegan.
Cuando caminan, cabalgan
a lomos de mula vieja.

Y no conocen la prisa
ni aun en los días de fiesta.
Donde hay vino, beben vino,
donde no hay vino, agua fresca.

Son buenas gentes que viven,
laboran, pasan y sueñan,
y un día como tantos,
descansan bajo la tierra.

Antonio machado

 
At 12:04 AM, Blogger lena said...

para ter o post n.º 100 digo-te que é Alberto Caeiro


beijinhos muitos, para ti

vou tentar dormir
lena

 
At 12:08 AM, Blogger mixtu said...

Incondicional, amiga...
"que saben, porque no beben
el vino de las tabernas."
Que fama eu estou a ter nas Astúrias, tenho que qualquer dia ir aí beber um copo,

 
At 12:16 AM, Blogger mixtu said...

Lena,
A incondicional não te deixou ser o comment nº 100, ela é incondicionalmente muito ciumenta mas depois eu digo-lhe que nós somos apenas amigos que gostamos do mar e de poesia, no fundo… da vida,

Alberto… o Seu Fernando, nunca foi um dos autores da minha mesinha cabeceira… não sei porquê, aliás e já partilhei isso num momentus com uma nossa amiga poetisa que o leio saltando verso em verso…

Obrigado pelas tuas doces palavras, sabem aos melhores caramelos dos que se compram no Gildo em Fuentes de Oñoro,
Sobre a menina… que é descomprometida mas que não gosta de mixturada… ora bolas,

 
At 12:38 AM, Blogger anatema said...

Gracias por hacerme recordar esos hermosos versos de la poesía española. Me han gustado mucho también los portugueses.
Un abrazo amigo.

 
At 1:04 AM, Blogger aprendiz de viajante said...

toda a gente vem ao teu blog... grande ponto de encontro.

GRANDE BLOG! Gostei e voltarei certamente para alongar esta fila interminável!

Boa semana.

 
At 2:48 AM, Blogger felicienta said...

hola

me gusto la poesia :) medieval que interesante !!

abrazos !

 
At 8:02 AM, Blogger Andrea Recol said...

¡Qué preciosidad Mixtu! Gracias por los poemas. Que grandes verdades encierran estos poemas. Te tengo un poquito abandona Mixtu, lo sé. A parte de por mis ocupaciones, es porque me cuesta un pelín leer en portugués. Muchas veces tengo que leer (por trabajo) textos en mallorquí (que no hablo) y no encuentro mayor dificultad. Pero leer en portugués me cuesta más. Es como si hubiese más distancia entre las dos lenguas. En cualquier caso, sabes que adoro tu país y me llama la atención (y me gusta) tu interés en unir a las dos culturas. Besitos

 
At 10:43 AM, Anonymous Anonymous said...

Quanta beleza em tão poucas palavras!
Ah..., a poesia!
Bjos...tenha uma linda semana.

 
At 10:44 AM, Anonymous Mércia said...

Anônimo aí sou eu... Houve uma falha.

 
At 11:34 AM, Blogger Piquinota said...

Excelente selecção!!!
Obrigada!:)

Jinhos

 
At 11:44 AM, Blogger Marta said...

Me gusta mucho la poesía medieval.
Ya era hora de que alguien postease algo sobre ello.
besos Mixtu

 
At 12:36 PM, Anonymous Neith said...

è de facto um grande prazer ler-te...excelente selecção de poemas :) Beijinhos e votos de uma boa semana

 
At 1:29 PM, Blogger Joana said...

O primeiro poema dei no secundário!
Ohhhh que saudades!
:)

 
At 1:29 PM, Blogger Joana said...

O primeiro poema dei no secundário!
Ohhhh que saudades!
:)

 
At 2:11 PM, Anonymous Diablilla said...

Si me tengo q quedar con un párrafo, sería con este:

Partimos cuando nacemos,
andamos mientras vivimos,
y llegamos
al tiempo que fenecemos;
así que cuando morimos
descansamos.


Intenso!!

besos

 
At 3:09 PM, Anonymous pequenita (quando o teu corpo e o meu) said...

Para ti....es...
Vim trazer a minha amizade....
Amigo é tão inocente como criança
Amigo é um anjo que nos dá asas para voar
Amigo é irmão que nos abraça com carinho na hora da dor
Amigo é saudade de olhar ternurento
Amigo é o que partilha nossas alegrias
Amigo é o que minimiza nossas tristezas
Amigo é sol e lua em dias de nostalgia
Amigo é paisagem que se abre aos nossos olhos
Amigo é agua essencial para a vida
Amigo é quem nos fala mesmo no silêncio
Amigo é calor num dia de verão
Amigo é lágrima na hora do desespero
Amigo é abraço na despedida
Amigo é um pedaço de chão na hora da solidão
Amigo é vontade de sorrir á vida
Amigo é o que mima nossos sonhos
Amigo é o que sauda nossos dias
Amigo é o que está sempre presente
Amigo é o que nos embala em palavras doces
Amigo é o que nos seduz com seus poemas
Amigo é o sonho que desejamos viver
Amigo é o que viverá eternamente em nós

beijinhussssssss :o)

 
At 3:39 PM, Anonymous mimi said...

muy bello, me agrada muito

 
At 4:56 PM, Blogger Pryncesazul said...

gracias por tu coment mixtu y adelante claro k si puedes, digo por lo de tu mensaje en mi blog...
nos seguimos leyendo
bye

 
At 5:38 PM, Anonymous Afrodite® said...

Olá...

Lindo como todos os outros...
Muito romantismo, amor, sedução... Em cada palavra descrita... Muita beleza... Parabéns...

Boa semana e não deixe de me visitar...

É uma honra ter vc no meu Tok de Sedução...

Bjokas carinhosas.

 
At 7:17 PM, Anonymous chesa said...

"Este mundo es el camino
para el otro, que es morada
sin pesar;"
un abrazo, amigo Mixtu.

 
At 8:47 PM, Anonymous Corazòn... said...

Hola guapa :)

Gracias por pensar siempre en tus visitas y hacer tus traducciones de otra forma no serìa posible entender tus post :)

Un abrazo desde Mèxico.

;o)

 
At 9:01 PM, Blogger Cruzeiro said...

Tenho vindo, através do teu blog, a conhecer poesia que desconhecia completamente.
Beijo

 
At 9:09 PM, Anonymous Patrique said...

Isto aqui tem andado concorrido, em breve começou a ler os teus posts... eh eh, tou a brincar...

 
At 9:09 PM, Blogger incondicional said...

Holas :-)
Te dejo otro poema de uno de mis autores favoritos :
Buesa
Canción del viaje
Recuerdo un pueblo triste y una noche de frío
y las iluminadas ventanillas de un tren.
Y aquel tren que partía se llevaba algo mío,
ya no recuerdo cuándo, ya no recuerdo quién.

Pero sí que fue un viaje para toda la vida
y que el último gesto, fue un gesto de desdén,
porque dejó olvidado su amor sin despedida
igual que una maleta tirada en el andén.

Y así, mi amor inútil, con su inútil reproche,
se acurrucó en su olvido, que fue inútil también.
Como esos pueblos tristes, donde llueve de noche,
como esos pueblos tristes, donde no para el tren.

 
At 9:11 PM, Blogger fgiucich said...

Muy buena selección. Abrazos.

 
At 9:52 PM, Blogger antona said...

Nuestra vidas son los ríos
que van a dar en la mar..

esa es la realidad
salu2

 
At 9:55 PM, Blogger AZUL said...

Assim agradecimentos dos hermos à poesia da parte com nos!
Bikiño e agradecimentos para suas visitas em minha ausencia!

 
At 10:25 PM, Blogger mixtu said...

Holas Incondicional,
muchas gracias por los poemas,

Machado:
"Son buenas gentes que viven,
laboran, pasan y sueñan,
y un día como tantos,
descansan bajo la tierra.”

E Buesa:
“Como esos pueblos tristes, donde llueve de noche,
como esos pueblos tristes, donde no para el tren.”

Muy bonitos versos...

Me parece que Machado es lo poeta preferido, non?
Un abrazo

 
At 10:34 PM, Blogger incondicional said...

Ya lo he leido ;-), gracias, me gustan los dos y muchos más.
Un abrazo.

 
At 10:44 PM, Blogger Maria Pedro said...

Que tal um Cesário Verde agora? Tem ironia qb e já tá na hora de pores nova poesia, não? ;)

Beijos, Mixtu!

 
At 11:40 PM, Blogger Afrodite said...

Hummmmm.. a onde esta ele???

beijos

 
At 12:08 AM, Blogger nicinha said...

Ai, o quanto que me inspirou esse poema de João Ruiz Branco!!! Li-o na fase em que imitava tudo o que era poesia romântica... foi uma grd fonte de inspiração.

Vou postá-lo um dia no meu blog (eheheh).

 
At 12:12 AM, Blogger MAURA_ said...

En algunos espacios haciendo funcionar Google solo en algunos ,precioso lo que escribes .
Besos

 
At 12:57 AM, Blogger dreams said...

querido mixtu...

deixo-te um excerto... espero que gostes...

"QUE VOZ VEM no som das ondas
Que não é a voz do mar?
É a voz de alguém que nos falla,
Mas que, se escutarmos, calla,
Por ter havido escutar.


E só se, meio adormecido,
Sem saber de ouvir ouvimos,
Que ella nos diz a esperança
A que, como uma criança
Dormente, a dormir sorrimos.
(...)"

um beijo doce * e aquele abraço...
“·.¸Dreams¸.·”

 
At 1:11 AM, Blogger nicinha said...

Mas que porcaria de comentário fizeste no meu blog... xiça!

 
At 3:57 AM, Anonymous eternapartedemim said...

Belas poesias Mixtu! Lindo o que por aqui se lê.

Também reparei que já tens uma musiquinha aqui. Muitos parabéns! :-)

Desculpa de só agora te responder, mas uma valente gripe atacou-me e teima em não me largar.

Um beijo para ti e votos de boa Primavera. *****

Lu Costa

 
At 4:06 AM, Blogger Pitufina said...

Hermoso poema amigo,
Me ha llegado muy profundo…

La canción de fondo ha dejado mis alas elevadas.

Besos alados…

 
At 8:37 AM, Anonymous Baltasar Aceno said...

Quanta bela poesía, Mixtu. Más uma de Juan del Enzina (1468-1530):

Más vale trocar
placer por dolores
que estar sin amores.
donde es agradecido
es dulce morir;
vivir en olvido
aquel no es vivir;
mejor es sufrir
pasión y dolores
que estar sin amores.
Es vida perdida
vivir sin amar;
y más es que vida
saberla emular;
mejor es penar
sufriendo dolores
que estar sin amores.
La muerte es vitoria
do vive afición;
que espere haber gloria
quien sufre pasión:
más vale prisión
de tales dolores
que estar sin amores.
el que es muy penado
más goza de amor;
que el mucho cuidado
le quita el temor;
así que es mejor
amar con dolores
que estar sin amores.
No teme tormento
quien ama con fe,
si su pensamiento
sin causa no fue;
habiendo por qué,
más valen dolores
que estar sin amores.

Amor que no pena
no pida placer,
pues ya le condena
su poco querer:
mejor es perder
placer por dolores
que estar sin amores.

Abraço desde minha ilha redonda

 
At 9:13 AM, Blogger reflejos said...

Conocía los poemas de Jorge Manrique con su gran fuerza emocional.Preciosos.


Besos

 
At 10:54 AM, Blogger Alba said...

Buenos diasssss...
Hoy es mi cumpleaños, venga en mi blog para disfrutar del bollo.
Tengo también un recuerdo desta data en souvenir para usted...
Besos

Alba

 
At 11:21 AM, Blogger Rafa said...

En los inicios de nuestra lieratura, en esa edad media, el sistema literario galaico-portugués era la referencia del resto de Europa.
Si un poeta quería parecer culto, escribía en galaico-portugués.
¡¡Como cambian los tiempos, Venancio, que te parece!!

 
At 11:43 AM, Blogger Poemas e Cotidiano said...

Mixtu, meu amigo: Obrigada pela sua visita, viu? Sempre fico feliz quando vejo por la. E sempre adoro seus comentarios bem humorados.
Tambem estou trabalhando muito meu amigo, agora, alem do meu trabalho normal, me dedicando a traducoes...eh interessante! Estou gostando muito da experiencia!
E o Blog sempre eh um lugar que vou colocar meus sentimentos.
Um beijo, otimo dia!
MARY

 
At 1:17 PM, Blogger mixtu said...

Dreams,
Versos muito bonitos
“Mas que, se escutarmos, calla, Por ter havido escutar.”
Muito obrigado pelo cartão postal, boa viagem…
Aquele Abraço,

 
At 1:21 PM, Blogger mixtu said...

Baltasar,
Juan del Enzina, excelente autor, fonte de inspiração a autores lusos,
foi uma das nossas possibilidades de postagem,
“mejor es sufrir pasión y dolores
que estar sin amores.”
Um Abraço,

 
At 1:23 PM, Blogger mixtu said...

Rafa,
“el sistema literario galaico-portugués era la referencia del resto de Europa.”
Já o tinha referido, designadamente na corte de D. Afonso X,
Por quien sois, Venâncio, Jamais por Castilla,
Um abraço

 
At 2:04 PM, Blogger Lagoa_Azul said...

Fui interrogar o poeta
Como se escreve um poema
Sem delongas veio informar
Que para se escrever poesia
Há que saber fazer rimar
Toda a forma poética
Com o sublime verbo amar.

Deixo-te um beijo poético, neste dia de poesias….

 
At 2:33 PM, Blogger Rosmaninho said...

Mixtu

Todos os dias, por aqui passo... Todos os dias, tenho uma vontade enorme de dizer que...
É verdade! Não consigo deixar uma poesia medieval, nem castelhana, nem portuguesa.
Detestei-a, enquanto tive de a estudar. A professora que a leccionava nunca me permitiu que a entendesse, nunca me soube cativar. Hoje, já a percebo e já me seduziu mas...
Prefiro deixar-te as minhas palavras, penso que nada medievais...
Comparo-te a uma árvore, Mixtu. Uma árvore daquelas de folhas persistentes, viçosas, luzidias e carregadinha de doces frutos.

Tenho aqui estado, algum tempinho, a ouvir a deliciosa música aqui colocada...

~*Um beijo*~

 
At 2:47 PM, Blogger Cláudia said...

Miguito espero que esteja tudo bem contigo!
Beijos

 
At 6:02 PM, Blogger Betty Branco Martins said...

Querido Mitxu

Obrigada por esta partilha - bela poesia!

Parabéns pela escolha.

Beijinhos com ternura :)

 
At 7:26 PM, Anonymous pequenita (quando o teu corpo e o meu) said...

O roçar dos lábios...
A língua no canto, passeando, explorando...
As palavras suaves, serenas, tão cheias de amor.
São momentos de êxtase...
Que trago comigo, guardados, sentidos...
O roçar, o apalpar, o gemer...
O sussurrar no ouvido...
a barba a roçar...
o olhar no olhar...
a vontade latente...
explodindo em nos...
querendo muito mais...
explorando os momentos anteriores..
ao acto final....
Curtindo..sentindo...cada pedaço...
cada gesto...um olhar...um molhar de lábios
um passear pelo corpo... uma paradinha aqui...
outra ali, mais longa, demorada e subtil...
Um sorriso nos lábios e no olhar...
O calor do rosto, que subiu pelo corpo,
e está pronto a explodir...
O latejar vagaroso dos corpos se amando..
sem mais esperar...

 
At 8:40 PM, Blogger wind said...

Gargalhadas, como é que a música deu? lololol, não entendo, O TRIPOD q uso no meu já é outro. eheheheh, desculpa escrever aqui, mas o mail voltava para trás. beijos

 
At 8:46 PM, Blogger O Blog da Balta,Bá! said...

Logo hoje, no dia da poesia (coloco o meu comentário a 21 de Março), e que a Assírio do King está a fazer uns descontozinhos de 50% na mesma poesia (passo a publicidade!). Uma pontaria de mestre... sim senhora!

 
At 9:40 PM, Blogger M&A said...

Isto já dá musica.
lollllllllllll

 
At 10:00 PM, Blogger Joana said...

Temos música...

será a música dos teus dias!?

Beijo

 
At 10:36 PM, Blogger Martuxa said...

Bonitos poemas =D
Hj é dia mundial da poesia =D
Beijos e sorrisos da linda e maravilhosa =P

 
At 10:42 PM, Anonymous fa said...

Excelente prenda este teu espaço no dia da Poesia.
Um beijo.
Fa

 
At 11:03 PM, Blogger Martuxa said...

Qual Mariana qual quê =P
Gosto sim =D
Sorrisos com beijos

 
At 11:13 PM, Blogger damadespadas said...

E porque hoje é Dia Mundial da Poesia...nada como o celebrar com estes poemas de povos diferentes.
Um beijo poético

 
At 11:23 PM, Blogger Martuxa said...

Martuxa..... só k ñ rima =P

 
At 11:38 PM, Blogger mixtu said...

Lagoa,
Doce amiga
Fui interrogar o poeta…
E ele segredou-me
que o mar corre para os rios
que hay mais terras que mar

 
At 11:38 PM, Blogger mixtu said...

Rosmaninho,
Lindo ensaio sobre o dia da floresta e da poesia,
As árvores não caiem, tombam
São elas que hacen o vento
Todas dão fruto
Apenas algumas dão sombra

 
At 11:42 PM, Blogger mixtu said...

Wind,
Gargalhadas, do meu email, as mensagens chegam... mas com muito atraso,
ontem encontrei uma amiga, chorosa porque o seu único filho é GNR e ia embarcar para o Iraque, hoje ao abrir o meu email recebo uma mensagem dela a dizer “começaram as contracções, vou à maternidade, escusas de vir, eu menti-te, tu não és o pai”

 
At 11:57 PM, Blogger lena said...

hoje vim dizer olá, deixar-te um "clássico" que adoro, porque é dia mundial da poesia:


You Are Welcome To Elsinore


Entre nós e as palavras há metal fundente
entre nós e as palavras há hélices que andam

e podem dar-nos morte violar-nos tirar
do mais fundo de nós o mais útil segredo
entre nós e as palavras há perfis ardentes
espaços cheios de gente de costas
altas flores venenosas portas por abrir
e escadas e ponteiros e crianças sentadas
à espera do seu tempo e do seu precipício

Ao longo da muralha que habitamos
há palavras de vida há palavras de morte
há palavras imensas, que esperam por nós

e outras, frágeis, que deixaram de esperar
há palavras acesas como barcos
e há palavras homens, palavras que guardam

Entre nós e as palavras, surdamente,
as mãos e as paredes de Elsenor

E há palavras noturnas palavras gemidos
palavras que nos sobem ilegíveis à boca
palavras diamantes palavras nunca escritas
palavras impossíveis de escrever
por não termos conosco cordas de violinos
nem todo o sangue do mundo nem todo o
amplexo do ar
e os braços dos amantes escrevem muito alto
muito além do azul onde oxidados morrem
palavras maternais só sombra só soluço
só espasmo só amor só solidão desfeita

Entre nós e as palavras, os emparedados
e entre nós e as palavras, o nosso dever falar

Mário Cesariny de Vasconcelos


beijinhos muitos para ti meu amigo

lena

 
At 12:09 AM, Blogger mixtu said...

Lena,
Muito bonito,
Não conhecia…
tem um ritmo alucinante,
uma corrida de palavras,
comecei-o a ler pausadamente
mas a minha alma obrigou-me a ler em passo de corrida,
foi assim que o li… que estranho (ou não)
Amiga, vou dar um pulinho à tua cabana e depois vou beber um copo,
Até amanhã, mas que diabo antes era "querido amigo", agora apenas "amigo"... ai não, espera "(meu) amigo"

 
At 12:51 AM, Blogger blue note said...

Gosto da tua música... das palavras... da força que têm.

bisous

 
At 1:13 AM, Blogger Caiê said...

O primeiro poema é eterno.

 
At 10:22 AM, Blogger Sara MM said...

Adelante!
agora vou ouvir a música...
BJs

 
At 10:32 AM, Blogger Mirada said...

Fermoso, moi fermoso, moitas grazas, non coñecía, xenial....
Milleiros de bicos, meu ben.

 
At 11:20 AM, Blogger wind said...

Gargalhadas mixtu, que sorte a tua.lololol É menos um filho:) beijos

 
At 1:07 PM, Blogger Alba said...

Buenos diasssss...
Menina, usted es llamada en meu blog... rsrsrs Vá lá...
Hoje fiquei mix como vc...
Beijão

Alba

 
At 1:28 PM, Blogger Alba said...

eitaaaaaa... amei saber........ ainda beeeeeeeeeeeeemmmmmmmmm... rsrsrs
Muito benvindooooooooo...
Vou corrigir minha gafe!
So sorry!
Biejão

Alba

Lin-do lin-do lin-do

 
At 1:35 PM, Blogger Sara MM said...

Estava eu a ouvir Jack Johnson... bem alto nos meus Walkman (MP3?! não, nunca votei niso!)... enquanto passeava num Jardim...

O cheiro... as cores... tudo era intenso... tudo era Tropical...

Foi então que... vi um livro... que brilhava para mim... chamava por mim... peguei nele... com carinho...

Eram poemas... li tudinho... deixei o livro... mas trouxe comigo este poema

Monstro de papel
me dá medo la enormidad
dime que és mentira todo
pues que acaso
sinto tu fragilidad
en un mundo tan descomunal

 
At 3:12 PM, Blogger Passarinha said...

lindos poemas! obrigada pela visita, jinhos

 
At 4:11 PM, Blogger Marga said...

Ummmmm maravillosos poemas!!! a mí es que algo se me quedó en esas fechas y esas letras...

Besosssssssssssss

 
At 5:35 PM, Blogger Antonia Katz said...

...agradeciendo tus gestos hacia mí, hay algo en mi blog ;)

 
At 6:01 PM, Blogger zé das loas said...

... e assim se constrói a pátria ibérica! beijos

 
At 6:07 PM, Anonymous Credendo Vides said...

Buenas poesías si señor. Y mas bella ciudad, Salamanca, ciudad de antaño, de estudio y de saber hacer.
Ahora ya volví.
Saludos desde el Inframundo.

 
At 6:23 PM, Blogger vadiano said...

iyaaaaaaaaaa, boenas noches

 
At 6:44 PM, Blogger Eterna Descontente said...

Vim aqui fazer-te uma visita e fiquei a ouvir o António Vega com o seu Lucha de gigantes.
Deixo-te um beijo :-)

 
At 7:21 PM, Anonymous aflores said...

Ontem (dia 21, foi Dia Mundial da Poesia)hoje e sempre a Poesia presente.

 
At 7:21 PM, Blogger ☆Fanny☆ said...

Mas que hermosos poemas!
Rsrsrsrsr...

Este "senhora partem tão tristes..." é um ponto obrigatório dos meus percursos pelo Ensino.

Gosto da poesia medieval...é afinal a nossa raíz.

Estas poesias satíricas...os alunos não resistem, sobretudo quando lhes dá para fazerem umas assim nos mesmos moldes, mas com a nossa actualidade!

É um fartote de rir!!!

Besitos*

Fanny :-)

 
At 8:35 PM, Blogger Burbuja said...

Escucharemos algo.
Besos y mis saludos.

 
At 8:40 PM, Blogger meiga said...

Una poesia preciosa
mil bikos

 
At 9:43 PM, Blogger Cláudia said...

Miguito, só agora reparei que tinhas musica!
Espero que esteja tudo bem!
Beijinhos

 
At 11:08 PM, Anonymous cris said...

Uma excelente escolha, o primeiro é um clássico.
Beijos

 
At 12:15 AM, Blogger mixtu said...

Sara,
depois de Cervantes, a leitura de poesia…
Deixo-te Machado, a minha actual leitura depois de ir beber um copo,este poema talvez seja o que eu gosto mais,

Cantares... .
Todo pasa y todo queda,
pero lo nuestro es pasar,
pasar haciendo caminos,
caminos sobre el mar. ..
Nunca persequí la gloria,
ni dejar en la memoria
de los hombres mi canción;
yo amo los mundos sutiles,
ingrávidos y gentiles,
como pompas de jabón. .
Me gusta verlos pintarse
de sol y grana,
volar bajo el cielo azul,
temblar súbitamente y quebrarse... .
Nunca perseguí la gloria. .
Caminante, son tus huellas el camino y nada más;
caminante, no hay camino,
se hace camino al andar. .
Al andar se hace camino
y al volver la vista atrás
se ve la senda que nunca
se ha de volver a pisar. .
Caminante no hay camino
sino estelas en la mar... .
Hace algún tiempo en ese lugar
donde hoy los bosques se visten de espinos
se oyó la voz de un poeta gritar
"Caminante no hay camino,
se hace camino al andar..."

 
At 12:57 AM, Anonymous Mily said...

Bela escolha de poemas. Há que se admirar, até mesmo o satírico. A poesia, em qualquer idioma, sempre toca o coração. Beijos nos votos de lindos sonhos nessa noite de luar... pelo menos do lado de cá do oceano.

 
At 1:06 AM, Blogger Mac Adriano said...

Hmmm... andas medieval. Dessa época, destaco sobretudo a poesia de escárnio e maldizer. Acho-a maravilhosa.

 
At 3:54 AM, Blogger niza said...

hermosas letras

besitos desde mexico

sigo leyendo....

 
At 7:19 AM, Blogger Pau said...

Ya no has posteado!! Te extrañamos!!!
Gracias por visitar mi blog... sabes que no me pierdo ni uno solo de tus posts...

Un besote mexicano

 
At 10:10 AM, Blogger anirada said...

Eu conheço literatura medieval galego- portuguesa, há coisas hilariantes...tive essa disciplina.

 
At 2:19 AM, Blogger Oruga said...

gracias por tu visita
y gracias por escribir tanta belleza junta

saludos

 
At 9:45 AM, Blogger JVC said...

Alô Mixtu,
vim aqui deixar-te um beijinho.
já tenho o blog bom! fizeste bom trabalho.
BEIJOS!!!!

 
At 12:26 PM, Blogger Zuriñe Vázquez said...

Muy hermoso, ayer como hoy la poesía sigue hablando de la vida. Gracias por tus comentarios. Un abrazo

 
At 8:47 AM, Blogger starlette5 said...

Puedo escribir los versos mas tristes esta noche!!!la poésia medieval és como una melancolia!!!
"Emerge tu recuerdo de la noche en que estoy,
El rio anuda al mar su lamento obstinado.
Abandonado como muelles en el alba.
Es la hora de partir,oh abandonado!
Sobre mi corazon llueven frias corolas
Oh sentina de escombros, feroz cueva de naufragos!
En ti se acumularon las guerras y los vuelos.
De ti alzaron las alas los pajaros del canto.
Todos te tragastes,como la lejania.
Como el mar? como el tiempo.Todo en ti fue naufragio..."

 
At 10:18 PM, Blogger Lord of Erewhon said...

Poesia superior, sem qualquer dúvida. Provença eterna... a que já não precisa de uma Nação (embora eu a quisesse) no mundo... porque o seu País se chama Civilização.
Viva El Rey!

 

<< Home

António Vega-Lucha de gigantes

_______________________________________________25.000 visitantes (Anterior counter),
ecoestadistica.com